Oriente médio

Guerra na Líbia caminha para empate de forças, diz chefe militar dos EUA

O almirante Mike Mullen, durante uma entrevista ao programa Face the Nation, da rede americana CBS (Getty Images)

Para almirante, mesmo com avanços, conflito caminho para impasse

O mais graduado oficial militar americano, o almirante Mike Mullen, disse que a guerra na Líbia está "caminhando para um empate de forças", apesar de a ação militar aérea dos Estados Unidos e da Otan ter destruído de 30% a 40% das tropas terrestres da Líbia.

As declarações de Mullen, que é chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas dos Estados Unidos, vieram um dia depois de o presidente americano, Barack Obama, ter autorizado a utilização de aeronaves não-tripuladas Predator armadas com mísseis na Líbia.

Segundo Mullen, o envio de aviões não-tripulados para alvejar alvos militares do líder líbio, o coronel Muamar Khadafi, ampliam ''a capacidade de precisão'' das forças aliadas.

Combates

Combatentes rebeldes vêm lutando contra as tropas de Khadafi desde fevereiro deste ano, mas, apesar do apoio de ações militares da Otan e dos Estados Unidos e de terem conseguido controlar boa parte do leste do país, as tropas do líder líbio têm mantido a capital, Trípoli, e várias cidades no oeste do país sob seu domínio.

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Tocar com outro programa

Em um discurso para as tropas americanas no Iraque, Mullen admitiu que grupos radicais podem tentar tirar vantagem da insurreição na Líbia, mas acrescentou: ''estamos atentos a isso, estamos cautelosos, mas eu não vi muito disso. Aliás, parece não haver qualquer representação da Al-Qaeda (na Líbia)''.

No mês passado, um comandante da Otan disse que representantes da área de inteligência americana detectaram sinais de atividades da Al-Qaeda entre os rebeldes.

Alvos urbanos

Em outro desdobramento, um navio fretado pela Organização Internacional para a Migração está a caminho da Líbia para resgatar trabalhadores estrangeiros e civis feridos na cidade que não estão conseguindo sair da cidade sitiada de Misrata.

Misrata é o único grande reduto rebelde de peso no oeste do país.

A cidade tem sofrido pesados bombardeios por parte de forças leais ao governo e sido palco de duros combates.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.