Gráficos: A busca pelos restos do avião da Air France no Atlântico

Uma equipe de resgate partiu para o local do acidente do voo 447 da Air France, que desapareceu no Atlântico em 2009. Saindo de um porto no Senegal a bordo do navio francês Ile de Sein, especialistas esperam recuperar as caixas-pretas com os registros de voo que possam explicar os motivos da queda.

Clique nos links abaixo para saber mais sobre a operação.

Os destroços

Direito de imagem BBC World Service

O voo 447 da Air France caiu sobre a costa brasileira em 1º de junho de 2009, matando todos os 216 passageiros e 12 tripulantes. Embora parte dos corpos das vítimas e pedaços da fuselagem tenham sido recuperados nos dias que se seguiram ao acidente, apenas no início de abril foi localizada a maior parte do avião no fundo do mar. A descoberta alimentou esperanças de que os registros de voz feitos na cabine do piloto e do próprio vôo, localizados na cauda da aeronave sejam encontradas.

O voo

Direito de imagem BBC World Service

Rumando do Rio de Janeiro para Paris, o Airbus A330-203 caiu no mar após enfrentar uma forte tempestade de grande altitude. O último contato por rádio com a aeronave, que devia chegar na capital francesa às 11h10 (horário local, 6h10 de Brasília) foi às 22h33 (horário de Brasília). Uma mensagem automática indicando “defeito no circuito elétrico” foi recebida às 23h14 (de Brasília) revelando que a aeronave estava recebendo leituras erradas sobre a velocidade do vento de seus mecanismos.

Área de buscas

Direito de imagem BBC World Service

Centenas de peças do avião e 50 corpos foram encontrados nos dias que se seguiram ao desastre, mas as caixas-pretas nunca foram localizadas, apesar de várias tentativas. Posteriormente, quando a área de buscas foi aumentada para um raio de 10 mil km² da última posição conhecida da aeronave, os destroços foram encontrados usando robôs equipados com sonares.

Equipamento

Direito de imagem BBC World Service

A principal ferramenta usada nas busca foi o Remus 6000. Estes robôs em forma de torpedo podem ser acionados por até 22 horas, vasculhando centenas de quilômetros do fundo do mar com o sonar de cada vez. A nova fase vai utilizar a Rêmora 6000 que vai ajudar na recuperação do que já foi localizado e na procura das caixas-pretas. O veículo operado remotamente está sendo levado ao local pelo navio francês. Ele pode preparar objetos no fundo do mar para serem içados para a superfície.