Príncipe William e Kate se dizem 'incrivelmente emocionados' com afeto do povo

Direito de imagem AP
Image caption A capital britânica está sendo preparada para o casamento

O príncipe William e sua noiva, Kate Middleton, dizem estar "incrivelmente emocionados" com o afeto da população em relação a eles desde o anúncio do noivado.

Em uma mensagem publicada no programa oficial do casamento, eles agradeceram "sinceramente a todos por sua gentileza".

"Estamos felizes que você pode se unir a nós nas comemorações do dia que, esperamos, será um dos mais felizes de nossas vidas", diz o texto.

"O afeto manifestado a nós por tantas pessoas durante nosso noivado foi incrivelmente emocionante e nos tocou profundamente."

Votos

O programa traz detalhes da cerimônia marcada para a sexta-feira na Abadia de Westminster, incluindo que a noiva prometerá "amar, confortar, honrar e proteger" o seu cônjuge. A exemplo do que ocorreu no casamento de Diana e Charles, o termo "obedecer" foi excluído dos votos matrimoniais.

O palácio também divulgou que o sermão será a epítome do sentimento britânico.

A noiva entrará na igreja ao som do hino de coroação "I was glad", de Sir Charles Hubert Hastings Parry, do salmo 122.

A composição foi concebida para a coroação do tataravô de William, o rei Edward 7º, na Abadia de Westminster, em 1902.

Souvenir

O programa de casamento pode ser baixado de graça do site oficial do casamento real (http://www.officialroyalwedding2011.org/). Um livreto souvenir também será vendido por 2 libras, o equivalente a R$ 5, no centro de Londres no dia do casamento. Os lucros irão para a Fundação Príncipe William e Príncipe Harry.

William passará a noite anterior ao casamento com seu pai, príncipe Charles, a esposa dele, Camilla, e o irmão, príncipe Harry, enquanto a noiva e sua família ficarão hospedados no requintado Hotel Goring.

Cerca de 50 chefes de Estado estrangeiros estão entre os 1,9 mil convidados para a cerimônia religiosa do casamento.

O embaixador sírio em Londres foi desconvidado para o casamento nesta quinta-feira, por iniciativa do Ministério do Exterior, que disse que a presença dele seria "inaceitável" mediante os relatos vindos da Síria nos últimos dias de ataques contra civis por forças do governo.

A agência de promoção do turismo na Grã-Bretanha, VisitBritain, estima que 600 mil pessoas a mais que o normal estarão na capital na sexta-feira.