Ataque aéreo 'mata filho mais novo e netos de Khadafi'

Destruição causada por ataque aéreo em vila residencial de Khadafi. Direito de imagem Reuters
Image caption Bombardeio da Otan danificou parte da vila residencial de Khadafi

Um ataque aéreo das forças da Otan, a aliança militar ocidental, na capital da Líbia, Trípoli, matou o filho mais novo do Coronel Muamar Khadafi, Sair al-Arab Khadafi, segundo um porta-voz do governo.

O líder líbio também estaria na vila residencial atingida no bombardeio, na região oeste da cidade, no momento do ataque, mas não teria ficado ferido.

Seu filho mais novo, Saif al-Arab Khadafi, de 29 anos, e três de seus netos teriam sido mortos.

De acordo com jornalistas que foram levados ao local, o edifício foi muito danificado e uma bomba ainda não detonada permanece no local.

O ataque acontece horas depois que a Otan e rebeldes líbios rejeitaram mais uma proposta de cessar-fogo feita pelo coronel Muamar Khadafi.

A Otan disse que não vai considerar negociações até que o governo da Líbia suspenda os ataques contra civis no país.

Já líderes rebeldes disseram que a oferta de Khadafi não é séria e que ele já usou essa tática outras vezes.

Leia mais na BBC Brasil: Otan e rebeldes rejeitam proposta de cessar-fogo de Khadafi.

`Força total´

O porta-voz do governo, Moussa Ibrahim, disse que a vila foi atacada "com força total".

"O líder e sua esposa estavam na casa com outros amigos e familiares. O líder está em boa saúde, não foi ferido", disse.

"Isto foi uma operação direta para assassinar o líder deste país", disse o porta-voz.

Saif al-Arab era o filho mais novo do coronel Khadafi, e estudava na Alemanha.

De acordo com o correspondente da BBC em Trípoli, Christain Fraser, ele estava em Trípoli para o que parecia ser uma reunião de família, em meio aos conflitos.

Oferta

Khadafi disse, em um discurso transmitido pela televisão, que estaria disposto a negociar com França, Itália, Grã-Bretanha e Estados Unidos se fossem suspensos os ataques aéreos da aliança militar ocidental, iniciados sob um mandato da ONU para proteger civis no país.

"Nós fomos os primeiros a aceitar um cessar-fogo...mas os ataques da Otan não pararam", disse Khadafi.

"A porta para a paz está aberta."

"Vocês são os agressores. Nós vamos negociar com vocês. Venham França, Itália, Grã-Bretanha, Estados Unidos, nós vamos negociar com vocês. Por que vocês estão nos atacando?"

Khadafi disse que não pode haver nenhuma pré-condição para o cessar-fogo, como sua rendição ou seu exílio, como os rebeldes e alguns países da Otan haviam exigido.

O líder líbio disse ainda que os rebeldes que enfrentam forças do governo em Misrata, no oeste do país, são "terroristas que não são da Líbia, mas da Argélia, Egito, Tunísia e Afeganistão".

Notícias relacionadas