Ahmadinejad volta ao trabalho depois de `boicote´

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad. Direito de imagem Reuters
Image caption Ahmadinejad retornou a suas atividades oficiais neste domingo

O presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad retornou às atividades oficiais neste domigo, participando de uma reunião do gabinete, segundo a mídia local. É a primeira vez em oito dias que Ahmadinejad comparece a um compromisso político.

Na último sábado, parlamentares conservadores do país se reuniram para discutir o suposto "boicote" do presidente, que teria começado após divergências com o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei.

Os políticos teriam pressionado o presidente a retomar suas atividades.

O confronto veio à luz depois que o aiatolá rejeitou a renúncia do ministro da Inteligência Heidar Moslehi, que havia sido forçado a deixar o cargo por Ahmadinejad.

`Lealdade renovada´

Heidar Moslehi foi forçado a renunciar em 17 de abril, mas foi rapidamente reinstituído pelo líder religioso.

Depois disso, o presidente Ahmadinejad, conhecido por suas frequentes aparições na mídia, deixou fazer aparições públicas, faltou a duas reuniões do gabinete e cancelou uma visita marcada à cidade de Qom, importante centro religioso do país.

No último sábado, cerca de 300 parlamentares pediram, em uma carta, que Ahmadinejad respeitasse a decisão do aiatolá Khamenei de manter Moslehi no cargo e voltasse ao trabalho.

A agência de notícias iraniana Fars disse que um grupo de parlamentares conservadores encontrou com Ahmadinejad no sábado.

De acordo com a Fars, eles disseram, após o encontro, que o presidente teria renovado sua lealdade ao aiatolá Khamenei.

Notícias relacionadas