Multidão comemora morte de Bin Laden em frente à Casa Branca

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Tocar com outro programa

Assim que os primeiros rumores sobre a morte de Osama bin Laden começaram a circular pela internet, no fim da noite de domingo, uma multidão começou a se aglomerar em frente à Casa Branca para comemorar a notícia.

Logo após o anúncio oficial, feito pelo presidente Barack Obama em um pronunciamento transmitido ao vivo pela TV, milhares de pessoas já tomavam as ruas de Washington, empunhando bandeiras dos Estados Unidos.

Também em Nova York, um multidão tomou as ruas para celebrar a morte do líder da rede extremista Al-Qaeda e principal mentor dos atentados de 11 de setembro de 2001, que mataram cerca de 3 mil pessoas nas duas cidades.

Em frente à Casa Branca, a multidão, formada em sua maioria por jovens, fez uma festa, dançando e cantando madrugada adentro. Muitos traziam bandeiras americanas e gritavam “EUA, EUA”.

Multidões celebraram em frente à Casa Branca (AP)

Em Washington, multidão celebrou em frente à Casa Branca

Marco Zero

Em Nova York, alguns chegaram a ir de pijamas para o Marco Zero, local onde ficavam as torres gêmeas do World Trade Center, destruídas nos atentados de 11 de setembro.

Uma multidão também se reuniu em Times Square, alguns cantando o hino americano.

“Os nova-iorquinos esperaram quase 10 anos por essa notícia”, disse o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, em um comunicado emitido logo após o anúncio da morte de Bin Laden.

Também em outras cidades americanas as pessoas foram às ruas para comemorar a notícia.

Anúncio

A morte de Bin Laden foi anunciada por Obama às 23h35 de domingo (0h35 de segunda-feira no Brasil), em um pronunciamento transmitido ao vivo pela TV.

“Justiça foi feita”, disse Obama, ao relatar a operação que levou à morte de Bin Laden, em um complexo a cerca de 100 Km de Islamabad, no Paquistão.

Bin Laden ocupava o primeiro lugar na lista de criminosos mais procurados pelos Estados Unidos e era acusado de vários outros atentados, incluindo as explosões em duas embaixadas americanas no Leste da África em 1998.

“A morte de Bin Laden marca a realização mais significativa até hoje nos esforços de nossa nação para derrotar a Al-Qaeda”, disse Obama.

O presidente afirmou, no entanto, que a morte de Bin Laden não marca o fim dos esforços dos Estados Unidos e que a Al-Qaeda vai continuar a tentar realizar novos ataques.

“Precisamos continuar vigilantes, em casa e no exterior”, disse.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.