Morte de Bin Laden

Obama diz que mundo é 'um lugar melhor' com morte de Bin Laden

Obama/Reuters

Obama disse que manteve seu compromisso com a justiça

Em seu primeiro pronunciamento público após ter anunciado a morte de Osama Bin Laden, o presidente americano, Barack Obama, disse nesta segunda-feira que o mundo está mais seguro e é um lugar melhor com a morte do líder da rede extremista Al-Qaeda.

"Acho que todos podemos concordar que este é um bom dia para os Estados Unidos", disse Obama, na Casa Branca, no início da cerimônia de entrega da Medalha de Honra, maior condecoração militar do país, a dois soldados americanos mortos na Guerra da Coreia.

"O mundo está mais seguro e é um lugar melhor por causa da morte de Osama Bin Laden", afirmou.

O presidente disse que o país "manteve seu compromisso de ver a Justiça ser feita".

"Hoje, nós somos lembrados de que, como nação, não há nada que não possamos fazer."

Clique Leia mais na BBC Brasil: Hillary diz que 'Justiça foi feita'

União

Obama elogiou o "espírito de união" dos americanos e das pessoas que, desde a noite de domingo, quando a morte de Bin Laden foi anunciada, se reuniram em frente à Casa Branca e também em Nova York para comemorar.

"Nós vimos esse espírito, esse patriotismo, nas multidões que se reuniram aqui fora da Casa Branca, no Marco Zero em Nova York e em todo o país, pessoas segurando velas, portando a bandeira, cantando nosso hino nacional. Pessoas orgulhosas de viver nos Estados Unidos", disse.

A morte de Bin Laden foi anunciada por Obama no final da noite de domingo, em um pronunciamento transmitido ao vivo pela TV.

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Tocar com outro programa

O homem acusado de ser o mentor dos atentados de 11 de setembro de 2001 – que mataram cerca de 3 mil pessoas no World Trade Center, em Nova York, e no Pentágono, em Washington – foi morto por forças americanas em um complexo perto de Islamabad, capital do Paquistão.

Desde antes de 2001 as forças americanas tentavam capturar Bin Laden, que ocupava o primeiro lugar na lista de criminosos mais procurados pelos Estados Unidos.

O saudita era também acusado de dezenas de outros atentados, entre eles as explosões em duas embaixadas americanas no Leste da África em 1998.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.