Filho de guitarrista do Pink Floyd admite ataque a comboio do príncipe Charles

Charlie Gilmour comparece à audiência em Londres, em fevereiro de 2011 (PA) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Charlie Gilmour ficará livre para terminar exames na universidade

Charlie Gilmour, filho de David Gilmour, guitarrista do Pink Floyd, se disse culpado da acusação de desordem violenta, durante ataque a um comboio de carros que transportava o príncipe Charles e sua mulher, Camilla.

Gilmour, de West Sussex, foi acusado de atirar uma lata contra o comboio durante protesto contra o aumento de custos do ensino universitário, realizado em Londres em dezembro de 2010.

O filho do guitarrista do Pink Floyd também foi acusado de sentar em um carro de um oficial designado para proteger os membros da família real.

Gilmour, de 21 anos, foi alertado de que poderia ser condenado à prisão, mas a Justiça britânica determinou que ele permanecesse livre, sob fiança, até o dia 8 de julho, para que tenha tempo de terminar os exames na Universidade de Cambridge.

No dia 9 de dezembro de 2010, manifestantes atiraram uma lata de tinta contra o veículo onde estavam Charles e Camila, quebrando uma de suas janelas, enquanto o príncipe se deslocava até o tradicional teatro London Palladium, no centro da cidade.

O príncipe e Camilla não se feriram e mantiveram os planos.

Na época, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, classificou o ataque ao carro do príncipe como "chocante e lamentável". Nas semanas anteriores e seguintes ao incidente ocorreram grandes protestos em Londres contra os planos do governo de aumentar os custos da educação universitária na Inglaterra.