Ministro do Petróleo da Líbia teria deixado o país

Moradores observam prédios em chamas na madrugada de terça-feira em Trípoli (AFP) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Trípoli voltou a ser bombardeada por forças da Otan

O ministro do Petróleo da Líbia, Shukri Ghanem, teria deixado o país e ido para Tunísia, disseram nesta terça-feira fontes tunisianas.

Segundo um repórter da BBC na Tunísia, o ministro agora estaria na Ilha de Djerba (leste do país), com várias outras autoridades líbias.

Entretanto, o principal grupo de oposição da Líbia, o Conselho Nacional de Transição, disse que ainda não têm a confirmação de que Shukri Ghanem realmente desertou.

Também há informações de que Mohammed, o filho mais velho do líder líbio, Muamar Khadafi, foi para a Tunísia para se submeter a um tratamento médico.

Rússia

Ainda nesta terça-feira a Rússia também pediu para que a Líbia pare de usar violência contra civis e obedeça à resolução da ONU, que autorizou os ataques da Otan contra as forças pró-Khadafi para proteger a população.

O ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, que se reuniu com dois enviados de Muamar Khadafi em Moscou, afirmou que a resposta dos enviados líbios "não pode ser chamada de negativa".

Falando ao canal de televisão russo Rossiya 24, Lavrov falou em otimismo e cautela e disse que pediu aos enviados líbios que o país garantisse "medidas específicas, por exemplo, a retirada de unidades militares das cidades, o estabelecimento de zonas de segurança".

"Também pedimos que eles cooperem com a ONU em termos que entregar ajuda humanitária a todo o território da Líbia", disse.

"A resposta que ouvimos (deles) não pode ser chamada de negativa", acrescentou Lavrov.

O governo da Rússia se recusa a aceitar os rebeldes como poder legítimo da Líbia e ainda tem laços formais com Khadafi.

"O mais importante no momento é concordar com termos e cronograma de uma trégua", disse o ministro.

Leia também na BBC Brasil: Promotor do Tribunal Penal Internacional pede prisão de Khadafi

A Otan afirmou que os ataques aéreos na capital líbia, Trípoli, na manhã desta terça-feira, atingiram prédios importantes da agência de inteligência do país, além de uma base de treinamento usada pelos guarda-costas de Khadafi.

Um porta-voz líbio tinha dito mais cedo que os prédios atingidos não tinham importância militar.

Os ataques aéreos da Otan ocorreram horas depois de o complexo onde Khadafi mora, em Trípoli, ter sido atingido novamente por um novo bombardeio.

Notícias relacionadas