Prefeito de Londres quer cobrar de Obama dívidas de trânsito da embaixada

PA
Image caption Boris Johnson pretende confrontar Obama durante visita oficial

O prefeito de Londres, Boris Johnson, quer cobrar pessoalmente do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, milhões de libras referentes a taxas de pedágio urbano não pagas por veículos da embaixada americana que circulam na área central da cidade.

Diversas embaixadas - entre elas, a americana - se negam a pagar o pedágio urbano cobrado na área central de Londres, alegando que esta cobrança corresponde a um imposto. As representações diplomáticas são isentas de tributos locais.

"Talvez quando o prato com petiscos servidos ao presidente Obama for limpo, ele encontre uma conta de 5,5 milhões de libras (R$ 14,4 milhões)", disse Johnson em uma entrevista à BBC.

O prefeito pretende confrontar Obama durante a visita oficial que o presidente fará à Grã-Bretanha, entre os dias 24 e 26 deste mês.

Cada carro que circula na área central de Londres deve pagar 10 libras (R$ 26) ao dia. O não-pagamento desta taxa acarreta em uma multa de 120 libras (R$ 314).

Depois da entrevista de Johnson, o Transport for London - órgão que administra o sistema de transportes londrino - afirmou que a embaixada americana na Grã-Bretanha deve 5,2 milhões de libras (R$ 13,6 milhões) em taxas de pedágio urbano não pagas.

Justiça

Johnson disse à BBC que talvez seja "mandado para longe" de Obama durante a visita oficial, mas acrescentou: "Se eu tiver a chance, eu vou lembrá-lo que os Estados Unidos nos devem 5,5 milhões de libras em taxas de pedágio".

O prefeito estima que a dívida somada das embaixadas, referente às taxas de pedágio urbano, chegue a 51 milhões de libras (R$ 133,6 milhões).

"Eu acho que, se eles têm uma representação aqui em Londres, então eles devem pagar a dívida por dirigir e usar as nossas ruas", afirmou Johnson, que pretende adotar o slogan "Nenhuma representação (diplomática) sem pagamento de pedágio".

"Isto não é um imposto, é uma cobrança por serviços, e eu acho que nós devemos levar isto à Justiça", disse o prefeito.

"A única maneira de fazer isto é se o Ministério das Relações Exteriores tomar conta da situação, levar verdadeiramente o governo americano à Justiça e conseguir que isto seja julgado em uma corte internacional", afirmou.

Notícias relacionadas