Problemas aéreos se intensificam na Europa por conta de vulcão

Passageiro em aeroporto da Escócia nesta terça-feira (AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Situação deve se normalizar nos próximos dias, diz ministro

Milhares de passageiros sofreram com cancelamentos de voos na Europa, enquanto as cinzas do vulcão islandês Grimsvotn se alastram pelo espaço aéreo.

Cerca de 500 voos foram cancelados nesta terça-feira no continente, informou o Eurocontrol, organismo que administra o tráfego aéreo europeu. Os efeitos foram sentidos principalmente na Grã-Bretanha e na Escandinávia.

As interrupções devem prosseguir na quarta-feira, quando a Alemanha deve limitar o uso de seu espaço aéreo por conta da elevada quantidade de cinzas na atmosfera.

Os aeroportos de Bremen e Hamburgo devem ficar fechados durante a manhã, e os de Berlim e Hanover também podem ser afetados.

Na Grã-Bretanha, onde a maioria dos cancelamentos ocorreu, alguns aeroportos da Escócia e do norte da Inglaterra devem funcionar de forma parcial até a tarde de quarta. Mas o Ministério dos Transportes informou que as interrupções seriam "mínimas" a partir da noite desta terça.

A orientação aos passageiros é que confirmem seus voos antes de se dirigir ao aeroporto.

‘Otimismo cauteloso’

O secretário britânico dos Transportes, Philip Hammond, disse que há um “otimismo cauteloso” quanto à situação nos próximos dias no país.

Segundo ele, a nuvem de cinzas baixou em altura e intensidade, e ventos provavelmente a levarão para longe da Grã-Bretanha nos próximos dois dias.

A entidade que controla a aviação civil britânica dividiu o espaço aéreo em áreas de alta, média e baixa densidade de cinzas – e companhias aéreas que queiram voar nas regiões de média ou alta densidade necessitam de autorização para isso.

Hammond rejeitou alegações da empresa Ryanair de que, após ter feito testes, considera seguro viajar em áreas de alta densidade. “Nossa responsabilidade primordial é a segurança”, disse o secretário.

Na noite desta terça, a empresa British Airways iniciou um teste sobre os efeitos das cinzas. Um Airbus A320 partiu de Manchester rumo a Londres, e sua performance será examinada por engenheiros.

No ano passado, as cinzas de outro vulcão islandês, o Eyjafjallajokull, provocaram o cancelamento de cerca de 100 mil voos na Europa ao longo de quase um mês, causando um prejuízo estimado em US$ 1,7 bilhão (cerca de R$ 2,75 bilhões).

Especialistas dizem, porém, que o Grimsvotn não deve causar tantos problemas: além de a erupção atual (iniciada no sábado) ter menor escala, suas cinzas têm partículas maiores e, por isso, caem mais rapidamente no chão.

Notícias relacionadas