EUA dizem levar a sério morte de civis em bombardeio no Afeganistão

AFP Direito de imagem BBC World Service
Image caption Crianças perto de soldado americano na província de Helmand, local do ataque

Os Estados Unidos levam muito a sério a morte de civis no Afeganistão em operações da Otan, disse neste domingo o porta-voz da Casa Branca.

Os comentários foram resposta a declarações do presidente afegão, Hamid Karzai, que condenou o bombardeio que matou 14 civis, sendo 12 crianças e duas mulheres, no sul do país.

"O presidente Karzai expressou em várias oportunidades preocupação com vítimas civis. Estas são preocupações que compartilhamos e levamos muito a sério", disse o porta-voz Jay Carney.

Pouco antes no domingo, o escritório de Karzai havia emitido um comunicado no qual classificava o ocorrido "um grande erro" e "em nome do povo afegão, o presidente dá este último aviso para as tropas e comandantes dos Estados Unidos".

O ataque

O ataque, na província de Helmand, no sudoeste do Afeganistão, tinha insurgentes como alvo, mas acabou atingindo duas casas de civis, de acordo com relatos.

O bombardeio ocorreu depois que uma base dos fuzileiros navais americanos foi atacada no sábado.

Um grupo de pessoas do vilarejo de Sera Cala viajou até a capital de Helmand, Lashkar Gah, levando consigo os corpos de oito crianças, a mais nova com dois anos de idade, segundo informa o correspondente da BBC em Cabul Quentin Sommerville.

"Veja, eles não são do Talebã", bradavam as pessoas enquanto mostravam os corpos a jornalistas locais, levando-os à sede do governo.

Mais cedo, um soldado da coalizão ocidental foi morto em uma batalha com insurgentes na mesma área, o que levou a Otan a realizar o bombardeio, disse um porta-voz da missão internacional no Afeganistão.

Enquanto os grupos rebeldes islâmicos são responsáveis pela maioria das mortes de civis no Afeganistão, as mortes de afegãos por parte de soldados estrangeiros é uma fonte cada vez maior de ódio, diz o correspondente da BBC.

Mortes por engano

Na quarta-feira, 20 policiais afegãos e 18 civis foram mortos em um ataque aéreo da Otan no Nuristão, nordeste do país, no qual cerca de 30 combatentes do Talebã também foram mortos, segundo disse neste domingo à agência AFP o governador da província.

Os policiais e os civis foram mortos depois de serem confundidos com militantes, disse o governador. O Nuristão foi palco de intensas batalhas entre o Talebã e as forças de segurança afegãs na semana passada.

Já no norte do país, medidas de segurança foram tomadas para o funeral do general Mohammad Daud Daud, comandante da polícia para o norte do Afeganistão, morto neste sábado em um atentado suicida contra a sede do governo da província de Takhar.

Daub é uma das sete pessoas mortas no ataque assumido pelo Talebã. O general é o mais alto integrantes do governo afegão morto pelo grupo insurgente este ano.

O local do funeral não foi divulgado por razões de segurança.

Notícias relacionadas