Mladic entrará com recurso contra extradição para Haia, diz advogado

Ratko Mladic depois da prisão (AP) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Advogado de Mladic alega que ex-comandante tem problemas de saúde

O ex-comandante do Exército sérvio-bósnio Ratko Mladic vai contestar a legalidade da sua extradição para o Tribunal Penal Internacional de Haia (Holanda).

Falando diante do Tribunal de Crimes de Guerra em Belgrado, o advogado de Mladic, Milos Saljic, afirmou que vai entrar com um recurso nesta segunda-feira para tentar ao menos retardar a extradição do general. Ele acrescentou que o documento deve chegar ao tribunal na terça.

"Vou entrar com o recurso nesta tarde para prolongar as coisas um pouco mais, para que a extradição não ocorra logo", disse Saljic.

Segundo o correspondente da BBC em Belgrado Mark Lowen, o recurso é uma forma de conseguir mais tempo para Mladic. Além disso, o advogado informou que o general está "muito doente para ser extraditado".

Apesar de a Justiça sérvia ter determinado que Mladic está saudável o bastante para ser entregue ao tribunal da ONU, Saljic afirmou que vai pedir o parecer de um médico independente, acrescentando que a saúde de seu cliente piorou desde sua prisão.

"Não acho que o julgamento vá acontecer. Ele não vai viver até o começo do julgamento", afirmou.

A família de Mladic também afirma que ele está doente demais para viajar. No entanto, o governo sérvio deve rejeitar o recurso.

Tática

O Ministério da Justiça sérvio deve precisar de até três dias para tomar uma decisão a respeito do recurso contra a extradição de Mladic. Mas, segundo o correspondente da BBC, o recurso deve ser rejeitado antes deste prazo, pois o vice-promotor para crimes de guerra já afirmou que a alegação de problemas de saúde é uma tática para atrasar o processo.

"Minha impressão é que ele está representando de uma forma muito bem preparada", afirmou o promotor Bruno Vekaric. "No que diz respeito ao estado mental dele, pode acreditar, ele parece mais normal do que muitos outros."

Vekaric também rejeitou informações da imprensa de que o general Mladic teria problemas de audição e que seu braço direito estaria paralisado.

Direito de imagem AP
Image caption Protesto de partidários de Mladic reuniu 7 mil pessoas e acabou em confronto com a polícia em Belgrado

O tribunal em Haia informou que não vai divulgar o dia da chegada de Mladic depois de sua extradição, mas, segundo Mark Lowen, a especulação é de que ele seja enviado à Holanda em um voo noturno, sem divulgação de horários.

De acordo com Mark Lowen, o governo da Sérvia espera que a extradição de Mladic acabe com as manifestações de apoio ao ex-comandante do Exército sérvio-bósnio.

No domingo cerca de 7 mil pessoas foram às ruas de Belgrado em uma manifestação contra a prisão e possível extradição de Mladic e contra o presidente sérvio, Boris Tadic.

Ao final da manifestação, ocorreram choques com a polícia, que disse ter prendido cerca de 100 pessoas. Os confrontos deixaram por volta de 20 feridos.

Importância

Mladic, que era um dos acusados de crimes de guerra mais procurados do mundo, foi capturado na última quinta-feira, após viver foragido por 16 anos.

A prisão de Mladic era considerada fundamental para as chances da Sérvia ingressar na União Europeia.

Também no domingo, o filho de Mladic, Darko Mladic, disse que seu pai nega ter ordenado o massacre de Srebrenica, em 1995, no qual 7,5 mil homens e meninos muçulmanos foram mortos.

O massacre, ocorrido durante a Guerra da Bósnia, foi a maior atrocidade cometida em solo europeu desde a Segunda Guerra Mundial.

Notícias relacionadas