COI evita cobranças e elogia 'progresso' nos preparativos olímpicos no Rio

Direito de imagem AP
Image caption Nawal (dir.) diz estar monitorando reassentamentos com Eduardo Paes

Encerrando sua visita de três dias ao Rio para monitorar os preparativos para a Olimpíada, a Comissão de Coordenação do Comitê Olímpico Internacional (COI) disse estar satisfeita com o ritmo com que as obras na cidade vêm avançando.

Nawal El Moutawakel, a presidente da comissão de coordenação, evitou fazer cobranças e elogiou o "forte planejamento", as iniciativas de marketing e a integração entre as esferas envolvidas nos Jogos de 2016. "Fico feliz de relatar que o (Comitê Organizador) Rio 2016 continua tendo um bom progresso na corrida olímpica", disse a medalhista marroquina, em sua terceira visita à cidade para acompanhar as ações. Em entrevista coletiva no dia seguinte a uma maratona de visitas a obras de infraestrutura na cidade, o COI manteve um tom elogioso, mas disse que vai enviar um relatório para o Rio na semana que vem estabelecendo prazos para diferentes temas. Um deles, de acordo com o diretor-executivo de Jogos Olímpicos do COI, Roger Felli, é o detalhamento da matriz de responsabilidade, que estabelece quais ações cabem a cada órgão e instância governamental. "Nós já temos o quadro geral, mas precisamos de mais detalhes", disse Felli. Nawal atenuou as cobranças feitas no mês passado para que fosse regularizada a situação de Henrique Meirelles, que foi designado em março para assumir a Autoridade Pública Olímpica (APO) mas ainda precisa ter o nome aprovado no Senado. Desta vez, ela se disse tranquilizada quanto ao assunto. "Ouvimos cuidadosamente todas as explicações dadas pelo Meirelles nestes dias. Estamos muito satisfeitos que ele está a bordo conosco e as coisas vão correr numa direção positiva. Não há nenhuma grande questão quanto a isso." Transparência Nawal considerou que os jogos vão deixar "importantes legados" para a cidade. Perguntada sobre problemas apresentados em parte das instalações construídas para os Jogos Panamericanos, de 2007, como a Vila dos Atletas, ela disse que é preciso separar o COI de outras organizações e ressaltou que a comissão faz visitas a cada três meses para acompanhar de perto o andamento das obras. A marroquina também foi questionada sobre as críticas feitas à forma como reassentamentos vêm sendo conduzidos para abrir espaço para obras de infraestrutura relacionadas aos jogos.

"É algo que estamos acompanhando de perto com o (comitê) Rio 2016 e o prefeito (Eduardo Paes). Ele nos assegurou que tudo vai ser tratado de maneira muito cuidadosa", disse, elogiando ainda o programa Minha Casa, Minha Vida. "Não acho que a ideia de organizar os jogos aqui seja para prejudicar ninguém. Tudo será feito com um toque humano."

Em abril, o secretário-geral da Anistia Internacional, Salil Shetty, e a relatora especial da ONU para o Direito à Moradia Adequada, Raquel Rolnik, apontaram violações do direito à moradia no processo de remoção de moradores para as obras de infraestrutura associadas aos grandes eventos de 2014 e 2016. Hotéis Durante a visita da comissão, foi decidido o local para a construção de um campo de golf, a última das 28 modalidades esportivas que restavam. "Agora todos os 28 esportes têm um local. É a primeira vez que isso acontece cinco anos antes dos jogos", disse Felli. "Eu diria que a posição do Rio hoje é muito boa." Em comparação às cidades que sediaram as últimas Olimpíadas, como Sydney e Pequim, "o Rio é provavelmente a cidade que mais vai se beneficiar", considera Felli. Em relação à infraestrutura para receber os milhares de turistas e atletas esperados, o diretor-geral dos Jogos de 2016, Leonardo Gryner, disse que até os jogos o Rio deve contar com mais 10 mil quartos de hotel e que um novo píer será construído no porto com capacidade para receber seis navios ao mesmo tempo. Já o Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim, de acordo com ele, não precisará de ampliações além daquelas que já estavam em andamento quando a cidade apresentou seu pleito para sediar os jogos. "Já na época da candidatura, obras estavam em andamento no Galeão para dobrar a sua capacidade, o que atende as demandas do COI", diz. A Comissão de Coordenação do COI é formada para auxiliar e monitorar os preparativos para os jogos. Composto por 26 pessoas, o grupo chegou ao Rio na terça-feira e dividiu o tempo entre reuniões com o comitê organizador local e autoridades envolvidas e, na quarta-feira, uma série de visitas a obras.

Entre as obras vistoriadas estão as do Maracanã (que vai sediar as cerimônias de abertura e encerramento), do Sambódromo (local de chegada da maratona e das provas de tiro) e um dos mergulhões por onde passará o Bus Rapid Transit (BRT), um corredor expresso que vai ligar a Barra da Tijuca, na Zona Oeste, e o Aeroporto Internacional Tom Jobim.

Notícias relacionadas