Síria envia tropas para o norte, e testemunhas relatam bombardeio

Tropas sírias rumo a Jisr al-Shughour. Foto: AFP e TV estatal síria Direito de imagem AFP
Image caption TV estatal síria mostrou imagens de tropas rumo a Jisr al-Shughour

A imprensa estatal da Síria noticiou neste domingo que tropas do governo estão avançando rumo à cidade de Jisr al-Shughour em uma ofensiva contra manifestantes oposicionistas.

Há relatos de combates intensos entre os dois lados, com pelo menos dois mortos e dezenas de pessoas sendo presas. Testemunhas disseram ter visto tanques e helicópteros atacando a cidade na madrugada de domingo.

O governo sírio afirma que está tentando restaurar a ordem na cidade, depois que 120 militares teriam sido mortos na semana passada. Mas moradores dizem que as mortes foram causadas por um motim e um conflito dentro das próprias forças de segurança sírias.

Ativistas afirmam que 200 veículos militares atacaram Jisr al-Shughour em duas frentes: uma oriunda do leste e outra do sul. A TV estatal afirma que a operação começou depois que explosivos foram encontrados e desarmados na entrada da cidade.

Helicópteros também foram vistos sobrevoando a área. Há relatos de que as tropas que invadiram a cidade são parte de uma unidade de elite comandada pelo irmão mais novo do presidente Bashar Al-Assad, Maher.

O correspondente da BBC no Líbano Jim Muir diz que, segundo testemunhas, o grupo militante Shabiha está apoiando os soldados do governo.

Não há informações sobre o tipo de resistência que os oposicionistas montaram na cidade, mas há confirmações de que muitas pessoas deixaram a cidade.

A Síria impediu a entrada de jornalistas estrangeiros no país, o que dificulta o trabalho de checagem das informações.

Também houve violência na cidade vizinha de Maarat al-Numan, onde homens armados atacaram um tribunal, uma delegacia e um depósito de combustível.

Fugas

O avanço das tropas sírias para o norte do país já provocou a fuga de mais de quatro mil pessoas para a Turquia.

Os Estados Unidos acusaram a Síria de provocar uma crise humanitária ao reprimir com violência os protestos contra o governo de Bashar al-Assad.

A Casa Branca fez um apelo para que Damasco permita a entrada imediata da Cruz Vermelha na região norte do país, uma das mais afetadas pelo conflito.

“A ofensiva do governo sírio no norte do país gerou uma crise humanitária”, disse a Casa Branca, por meio de um comunicado.

“Os Estados Unidos pede ao governo sírio que ponha fim à violência e dê ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha acesso imediato e irrestrito a essa região. Se os líderes sírios não fornecerem essa permissão, vão mais uma vez demonstrar desrespeito para com a população da Síria.”

Leia mais: Violência na Síria fez 4,3 mil civis fugirem para Turquia

Notícias relacionadas