Campanha sorteia jantar com Obama para arrecadar fundos

Reuters Direito de imagem 1
Image caption Sorteados em concurso farão refeição 'casual' com o presidente americano

Simpatizantes do presidente americano foram surpreendidos nesta quarta-feira com um convite inusitado: um jantar com Barack Obama.

Em um e-mail enviado a seus partidários, Obama anunciou que quatro doadores de sua campanha à reeleição serão sorteados para jantar com o presidente.

“Se você fizer uma doação hoje, você estará automaticamente inscrito para ter a chance de ser um dos quatro apoiadores a sentar comigo para um jantar. Por favor, doe US$ 5 ou mais hoje”, diz o e-mail.

Os quatro vencedores do concurso, batizado de “Jantar com Barack”, receberão as passagens aéreas para se encontrar com o presidente onde ele estiver.

“Tudo o que você precisa trazer é a sua história e as suas ideias sobre como nós podemos continuar a fazer deste um país melhor para todos os americanos”, diz a mensagem.

Obama avisa ainda que o jantar não será formal.

“É o tipo de refeição casual entre amigos que eu já não consigo mais ter com a frequência que gostaria, então eu espero que você considere juntar-se a mim.”

Proximidade

Seguindo o tom característico dos e-mails enviados pela campanha de Obama desde que concorreu pela primeira vez à Presidência, em 2008, a mensagem desta quarta-feira busca ressaltar a proximidade do presidente com o cidadão comum.

“A maioria das campanhas preenche suas listas de convidados para jantares principalmente com lobistas de Washington e interesses especiais”, afirma Obama no e-mail. “Nós não chegamos aqui fazendo isso, e não vamos começar agora.”

“Mas eu não estou pedindo que você doe hoje apenas para que concorra a uma oportunidade de me encontrar. Eu estou pedindo que você diga que acredita no tipo de política que dá a pessoas como você um lugar à mesa”, diz a mensagem.

“Seja na mesa de jantar comigo ou na mesa onde decisões são tomadas sobre o tipo de país que queremos ser.”

A campanha para as eleições de 2012 começa a ganhar mais ritmo, em um momento em que Obama enfrenta uma queda nos índices de aprovação, creditada principalmente à lenta recuperação da economia americana e à alta taxa de desemprego no país.

No entanto, segundo analistas, o presidente ainda permanece em uma posição relativamente confortável, diante da falta, até o momento, de um candidato favorito dentro do Partido Republicano.

Notícias relacionadas