Premiê grego pede 'acordo nacional' e diz que cortes são necessários

Premiê grego faz discurso no Parlamento. Foto: AFP Direito de imagem AFP
Image caption Papandreou disse ao Parlamento que Grécia vive 'ponto crucial'

O primeiro-ministro da Grécia, George Papandreou, convocou neste domingo os membros do Parlamento para um "acordo nacional" e afirmou que cortes "dolorosos" dos gastos públicos são a única solução para a crise gerada pela dívida do país.

Falando ao Parlamento, no início de um debate de três dias sobre a crise financeira grega, Papandreou disse que o país está em um "ponto crucial", sob o risco de um calote catastrófico caso não houvesse nenhuma ação.

O premiê instou os parlamentares a apoiar o novo gabinete e o novo ministro das Finanças, Evangelos Venizelos, que foram anunciados na última sexta-feira.

Enquanto isso, ministros das Finanças da zona do euro se reúnem em Luxemburgo para discutir medidas para reverter a crise grega, que corre o risco de contaminar outros países europeus, bem como o sistema financeiro internacional.

Entre as opções na mesa, está um novo pacote de ajuda à Grécia, além do empréstimo de 110 bilhões de dólares aprovado no ano passado. Os ministros discutirão ainda se aprovam o repasse da quinta parcela do pacote, de 12 bilhões de euros.

Caso uma nova ajuda financeira não seja aprovada, a Grécia corre o risco de decretar moratória de sua dívida, aumentando assim o custo dos empréstimos tomados por outros países e levando a novos calotes, contaminando o sistema financeiro global.

Leia mais na BBC Brasil: Ministros europeus discutem novo pacote de ajuda à Grécia

Novo pacote

Papandreou disse que diálogos para um novo pacote de ajuda já estão sendo realizados, e afirmou que a Grécia ficará logo sem dinheiro caso os políticos do país não tomem nenhuma atitude.

"Eu peço por uma renovação na confiança no governo, porque o país se encontra em um ponto crucial", afirmou. O premiê disse que um acordo deve ser atingido para acabar com a "imagem de desunião" que estava afetando a imagem da Grécia.

Papandreou defendeu ainda uma reforma política, propondo um referendo ainda este ano para definir possíveis mudança na Constituição.

No entanto, integrantes da oposição que se opõem ao plano de cortes do governo rejeitaram o apelo do premiê e perguntaram porque a população grega deve se "sacrificar em vão".

Alguns parlamentares pediram que o primeiro-ministro renuncie e convoque eleições. Na próxima terça-feira, o Parlamento irá votar uma moção de desconfiança contra o novo gabinete.

População

Segundo o correspondente da BBC em Atenas Chris Morris, o discurso de Papandreou pretendia cativar não só os parlamentares, mas também a população grega e a opinião pública no restante da zona do euro.

O primeiro-ministro não quer aparentar estar fazendo nada em um momento de crise, disse Morris. No entanto, pesquisas de opinião mostram que a maioria dos gregos rejeita s medidas de austeridade propostas pelo governo.

Novas manifestações contrárias às medidas de austeridade propostas pelo governo foram convocadas na Grécia neste domingo.

Notícias relacionadas