Desemprego em maio é o menor para o mês desde 2002

Carteira de trabalho brasileira. Foto: WikimediaCommons Direito de imagem WikimediaCommons
Image caption Salvador continua a ter o maior nível de desemprego entre as capitais pesquisadas, com taxa de 10,5%

Números do IBGE mostram que a taxa de desemprego no país caiu em maio deste ano, chegando a 6,4%. Trata-se do menor percentual já registrado nesse mês, desde que a estatística mensal começou a ser apurada pelo instituto, em 2002. O índice, no entanto, é o mesmo do último mês de abril.

Já a renda média dos trabalhadores tomou direção contrária e subiu 4% em relação a maio do ano passado, chegando a R$ 1.566,70 (ou 1,1% sobre abril).

Os destaques ficaram para Belo Horizonte e Rio de Janeiro, duas das seis regiões metropolitanas pesquisadas. Na capital mineira, que tem o menor índice de desemprego, o nível de desocupação baixou a 4,7% (era de 5,8%, em maio de 2010, e de 5,3%, em abril deste ano). No Rio, o índice é de 5,4%.

Salvador continua a liderar o índice de desemprego (como em todas as medições, desde 2002). Na capital baiana, a taxa é de 10,5%. Em São Paulo ficou em 6,7%, menor que no ano e no mês anterior.

Por outro lado, a renda média dos trabalhadores cresceu. Pela primeira vez São Paulo perdeu a liderança, agora ocupada pelo Rio de Janeiro, onde o rendimento médio atingiu R$ 1.682,40, contra R$ 1.667,90 da capital paulista. O Recife ocupa o último lugar, com média de R$ 1.077,40.

No caso do índice de desemprego, não houve destaque em nenhum setor da economia pesquisado. Em relação à renda média, os trabalhadores da construção civil tiveram o maior avanço, de 9,5%, frente a maio do ano passado. Queda apenas no setor de serviços e imobiliários e financeiros, onde a renda encolheu 4,1%.