Portal da Presidência sofre novo ataque de hackers

Site da presidencia sob ataque. Reprodução Direito de imagem Reproducao
Image caption Ataque de hackers derrubou o portal da Presidência e dificultou o seu acesso

O site da Presidência da República voltou a sofrer um ataque cibernético na tarde desta quinta-feira.

Segundo o Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados, o órgão responsável pelos principais sistemas informáticos do governo federal), por volta das 15h30 um ataque com múltiplos acessos derrubou o portal da Presidência.

O portal já havia saído do ar durante a madrugada e supostos dados pessoais da presidente Dilma Rousseff chegaram a ser vazados pelo grupo LulzSecBrazil. O Ministério dos Esportes, também atacado, confirmou à BBC Brasil que houve uma “invasão periférica” à base de dados do portal.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o Sepro afirmou que não houve tentativa de acesso ao sistema de dados do portal. Já o serviço de comunicação da Presidência disse estar de “sobreaviso”.

Durante a madrugada, os sites da Petrobrás e da Receita Federal também foram atacados.

Horas depois, o grupo de hackers LulzSecBrazil postou em sua conta no Twitter um link para um arquivo com dados que supostamente estavam em sites do governo.

O LulzSecBrazil é o braço brasileiro do grupo coletivo internacional Lulz Security, que vem ganhando notoriedade por ataques recentes aos servidores da CIA (agência de inteligência americana), do FBI (polícia federal americana), do serviço público de saúde britânico, o NHS, da empresa Sony e das TV americanas Fox e PBS.

“Invasão periférica”

O Ministério do Esporte confirmou no fim da tarde desta quinta-feira que o site da instituição sofreu uma “invasão periférica” de hackers durante a madrugada.

A assessoria de imprensa do ministério não soube precisar, no entanto, se o suposto vazamento de senhas e logins de funcionários da instituição teria ocorrido na referida “invasão”.

Horas após o ataque da madrugada, o site sofreu uma varredura que detectou acesso a uma plataforma de dados.

Mais cedo, Horas depois, o grupo de hackers LulzSecBrazil postou em sua conta no Twitter um link para arquivos com supostos dados de sites do governo.

Dilma

Além dos logins e senhas do Ministério do Esporte, um dos documentos divulgados pelo LulzSecBrazil trazia dados pessoais da presidente Dilma e do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, supostamente vazados do site da Petrobrás.

O documento reunia números do CPF e do PIS, data de nascimento, telefones e o signo de Dilma e de Kassab, além do nome da mãe e de e-mails pessoais do prefeito.

As informações relativas a Dilma a vinculam à Petrobras, o que poderia sugerir que as informações foram coletadas quando ela fazia parte do Conselho de Administração da empresa.

A Petrobras disse desconhecer a lista publicada pelo grupo, mas reafirmou que nenhum dado foi acessado de forma indevida em seus sistemas.

Notícias relacionadas