Otan mata militantes em ataque que deixou 21 mortos em Cabul

Pela manhã a fumaça ainda podia ser vista saindo do Hotel Intercontinental, em Cabul (Reuters) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Fumaça podia ser vista pela manhã sobre o telhado do Hotel Intercontinental, em Cabul

A Otan usou nesta quarta-feira helicópteros para encerrar um ataque de militantes armados que deixou pelo menos 21 mortos em um dos principais hotéis da capital do Afeganistão, Cabul.

Os militantes, que seriam ligados à milícia Talebã, realizaram disparos e explosões suicidas dentro do hotel Intercontinental, bastante frequentado por estrangeiros.

O ataque começou ainda na noite de terça-feira, quando um casamento e uma reunião de governadores de províncias eram realizados no hotel.

Muitos hóspedes jantavam no restaurante local quando um suicida detonou explosivos que levava presos ao corpo na entrada principal do prédio, que conta com forte esquema de segurança.

Um outro suicida teria explodido uma bomba em um dos quartos do Intercontinental, matando dois policiais e um hóspede espanhol.

Testemunhas disseram que, depois das explosões, houve cenas de pânico, com hóspedes correndo em busca de um local seguro.

Cinco horas mais tarde, um helicóptero da Otan encerrou o ataque, matando a tiros três militantes que ainda estavam fazendo disparos do teto do hotel.

Durante a operação, nove militantes morreram – as outras vítimas são civis e policiais.

Ao amanhecer, fumaça e fogo ainda podiam ser vistos no hotel. Agora, os quartos estão sendo vasculhados um a um para verificar a presença de mais vítimas ou de outros atiradores escondidos.

Por meio de um porta-voz, o Talebã reivindicou a autoria do ataque.

Alvo

Autoridades acreditam que a reunião de governadores no hotel pode ter sido o alvo do ataque, considerado bem planejado.

A intensa troca de tiros e as explosões chegaram a ser ouvidas a uma distância de até cinco quilômetros, segundo o correspondente da BBC em Cabul Bilal Sarwary.

As tropas afegãs e a polícia cercaram o hotel e cortaram intencionalmente a energia elétrica do local e avançaram usando equipamentos para visão noturna.

Segundo a Força de Assistência Internacional de Segurança (Isaf), a missão da Otan no país, os três militantes conseguiram se refugiar no teto pareciam estar vestindo coletes com explosivos. Testemunhas disseram que eles também teriam granadas de mão, lança-granadas e metralhadoras AK-47.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos condenou o ataque, dizendo que ele demonstrou “o completo desprezo dos terroristas pela vida humana”.

O Intercontinental é um dos hotéis com mais estrutura de segurança em Cabul.

A situação na capital afegã era de calma nos últimos meses, apesar do aumento da violência em outras partes do país desde a morte do líder da Al-Qaeda, Osama Bin Laden, por forças americanas no Paquistão, em 2 de maio, e pelo início da “ofensiva de primavera” do Talebã.

Em janeiro de 2008, militantes haviam tomado o hotel mais luxuoso de Cabul, o Serena, e mataram oito pessoas, incluindo um americano, um norueguês e uma filipina.

Notícias relacionadas