Venezuela: Ausência de Chávez põe em risco governabilidade, dizem analistas

Atualizado em  30 de junho, 2011 - 23:18 (Brasília) 02:18 GMT

Estado de saúde do presidente vinha sendo especulado na Venezuela (Foto: AP)

A ausência prolongada do presidente da Venezuela, Hugo Chávez - que, admitiu nesta quinta-feira, em Cuba, estar se tratando de um tumor - pode colocar em risco a governabilidade do país, que dá sinais de fragilidade sem o líder venezuelano no comando, acreditam especialistas.

Para o sociólogo Carlos Luis Rivero, a ausência de Chávez demonstrou que o processo político venezuelano "depende e está sujeito à vulnerabilidade de uma pessoa", afirmou.

"Essa fragilidade pode afetar a governabilidade a médio e longo prazo, porque é o presidente quem põe em ordem os desajustes do governo causados pela manifestação das diferentes correntes quando cada uma puxa para o seu lado", afirmou.

Os três principais grupos que estariam em disputa pelo poder no interior do governo bolivariano são a esquerda chavista, que defende o aprofundamento do projeto socialista, o consolidado grupo militar nacionalista e o setor reformista, que defende o populismo como caminho para implementar pequenas reformas.

"Há uma disputa ideológica aberta e Chávez transita entre os três setores, garantindo estabilidade e unidade em torno ao governo", afirmou à BBC Brasil o cientista político Carlos Romero. "Neste momento, Chávez é a garantia de ordem social", acrescentou.

Vazio de poder

De acordo com Carlos Romero, uma ausência prolongada do presidente tende a gerar um vazio político que pode ser utilizado por grupos radicais para desestabilizar o país. "Por isso é importante que o governo comece a dialogar com a oposição democrática", argumenta.

A seu ver, o problema de saúde do presidente venezuelano reacendeu os ânimos da ala opositora golpista. "O setor golpista da oposição estava adormecido, mas pode reaparecer nessa situação, aproveitando a maré de incertezas", afirmou Romero.

É evidente o esforço de grande parte do gabinete em mostrar que o governo continua firme no seu rumo, com Chávez governando a partir de Havana. O vice-presidente Elias Jaua, um dos homens de confiança do presidente - encarregado do governo desde que Chávez adoeceu - tem participado de ao menos dois atos públicos diários, que vão desde inaugurações de obras à entrega de créditos a empresários. Ministros das áreas consideradas estratégicas seguem o mesmo ritmo.

Essa situação, no entanto, não convence a oposição. “Isso é um atentado direto à soberania, pretender governar nosso país a partir de outra nação", afirmou a deputada opositora Maria Corina Machado.

A crise tem mostrado que Chávez também faz falta à oposição. Com as eleições primárias previstas para o próximo ano, a ala antichavista não tem um líder capaz de capitalizar o evidente desconcerto do governo sem o comando do presidente.

"A oposição está encurralada. Não pode enfrentar a situação atual porque não tem liderança para capitalizar politicamente a ausência do presidente", afirmou Romero.

'Inimigos' da Celac

Na quarta-feira, o governo da Venezuela anunciou a suspensão da cúpula de lançamento da Celac (Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos), prevista para 5 de julho, devido ao estado de saúde de Chávez.

TV cubana mostra imagens de Chávez

Líder venezuelano aparece com Fidel Castro em aparente boa saúde.

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

No entanto, para o cientista político Carlos Romero, a saúde do presidente foi um dos motivos, "não o único", que provocou o adiamento da Celac. Segundo Romero, não havia quórum que sustentasse politicamente o lançamento do organismo.

Outra hipótese ventilada é que alguns países questionavam o "tom radical" do documento proposto pela Venezuela como base para a discussão e aprovação dos presidentes.

"A atual correlação de forças na região, aliada à pressão dos Estados Unidos, que ficou fora do grupo, não favorecia a criação do bloco neste momento", afirmou o sociólogo Carlos Luis Rivero.

Mesmo sem a Celac - uma das prioridades do governo Chávez neste primeiro semestre - os caraquenhos ainda têm esperanças de que o presidente apareça para as comemorações do bicentenário da independência do país, que será celebrado com um megadesfile em 5 de julho.

"Não está vendo que estão pintando e decorando tudo? Claro que ele (Chávez) vem e vai voltar novinho", disse à BBC Brasil o operário Jenismar Pérez, em frente à sede do Parlamento, onde trabalham dia e noite nas obras de restauração do centro da cidade.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.