Em meio a impasse, agência ameaça baixar nota da dívida dos EUA

Obama, ao centro, com congressistas e secretários durante reunião neste domingo Direito de imagem AP
Image caption Reuniões bipartidárias sobre teto da dívida têm terminado sem acordo

Em mais um capítulo do impasse americano a respeito do teto de seu endividamento, a agência Moody’s avisou nesta quarta-feira que pode revisar para baixo sua classificação de risco da dívida dos EUA, que atualmente tem nota máxima (AAA).

A agência disse que, segundo sua avaliação, é crescente o risco de que o teto da dívida não será elevado a tempo de evitar uma moratória dos EUA. Ainda assim, ressaltou que é pequeno o risco de um calote americano.

A dívida dos EUA, de US$ 14,3 trilhões (cerca de R$ 22,4 trilhões), está em seu limite legal. O presidente Barack Obama tenta convencer o Congresso a votar pelo aumento desse teto até 2 de agosto – a partir dessa data, os EUA teriam dificuldade em cumprir com seus compromissos com os credores.

Mas democratas e republicanos não entram em acordo quanto aos cortes orçamentários que devem ser feitos para sanar as finanças do país.

Os republicanos se opõem a aumentos nos impostos – que o governo quer impor à parcela mais rica da população americana –, enquanto democratas se opõem a cortes em programas sociais estatais.

Custos

O rebaixamento da nota de classificação da dívida poderia aumentar os custos dos empréstimos tomados pelos EUA e perturbar os mercados financeiros, dificultando ainda mais o esforço de recuperação da economia americana.

Antes do anúncio da Moody’s, o presidente do Fed (banco central americano), Ben Bernanke, disse que uma moratória americana abalaria todo o sistema financeiro, já que os títulos da dívida americana são amplamente difundidos.

Também nesta quarta-feira, Obama voltou a se reunir com republicanos para negociar a crise da dívida – foi a quarta reunião sobre esse assunto nos últimos dias.

Relatos dão conta de que o encontro terminou de maneira tensa, aparentemente sem indicar um caminho para pôr fim ao impasse.

Notícias relacionadas