Obama pede a congressistas plano sobre dívida nas 'próximas horas'

Obama/Getty Images Direito de imagem BBC World Service
Image caption Se teto da dívida não for elevado, EUA podem não cumprir seus compromissos financeiros

Depois de uma semana inteira de negociações diárias sem resultados concretos, o presidente americano, Barack Obama, disse nesta sexta-feira que os congressistas precisam apresentar uma proposta sobre a dívida do país nas próximas "24 horas".

"Obviamente, nosso prazo está se esgotando", afirmou Obama, em entrevista coletiva na Casa Branca.

"Então, o que eu disse aos membros do Congresso foi: 'Vocês precisam, nas próximas 24 ou 36 horas, me dar alguma ideia de qual é o seu plano para elevar o teto da dívida'", disse o presidente.

Os Estados Unidos atingiram seu limite legal de endividamento público, de US$ 14,3 trilhões (cerca de R$ 22,5 trilhões), em 16 de maio.

Na ocasião, o governo anunciou medidas temporárias para impedir que a dívida ultrapasse esse limite. Mesmo com essas medidas, porém, os Estados Unidos vão ultrapassar o teto a partir de 2 de agosto.

Segundo o governo, caso o Congresso não autorize a elevação do teto da dívida até essa data, o país irá, pela primeira vez, deixar de cumprir seus compromissos financeiros, o que poderá ter impactos negativos não apenas na economia doméstica, mas também nos mercados financeiros globais.

Longo prazo

Obama voltou a manifestar sua rejeição a soluções de curto prazo e disse que está preparado para tomar "decisões difíceis" caso a oposição republicana apresente "um plano sério".

"Durante as discussões com líderes do Congresso, o que eu tentei enfatizar é que nós temos uma oportunidade única de fazermos algo grandioso. Nós temos a chance de estabilizar as finanças dos Estados Unidos por uma década, por 15 ou 20 anos, se estivermos dispostos a aproveitar este momento", disse Obama.

O Partido Republicano, que controla a Câmara dos Representantes (deputados federais), condiciona o aumento do teto da dívida a um pacote de corte de gastos para combater o deficit orçamentário do país, calculado em US$ 1,4 trilhão (cerca de R$ 2,2 trilhões) no ano fiscal que termina em setembro.

Democratas e republicanos concordam sobre a necessidade de cortar gastos, mas não chegam a um acordo sobre o tamanho dos cortes ou os programas a serem afetados.

Obama vem pressionando para acabar com cortes de impostos em vigor desde o governo anterior, que beneficiam a camada mais rica da população. Os republicanos, no entanto, já avisaram que não vão aprovar nenhuma proposta que inclua aumento de impostos.

Líderes republicanos da Câmara afirmaram que querem levar a votação uma proposta de aumentar o teto da dívida em troca de cortes de US$ 2,4 trilhões (cerca de R$ 3,8 trilhões) nos gastos em dez anos. O presidente, porém, disse que não vê "um plano sério".

"Eu não vi ainda um plano digno de confiança, ao rever os números, que nos permita cortar US$ 2,4 trilhões sem realmente afetar o cidadão comum", disse.

Segundo Obama, o fracasso em chegar a um acordo poderá resultar em aumentos das taxas de juros, afetando toda a população.

O impasse já levou a duas das principais agências de classificação de risco, a Moody´s e a Standard & Poor´s, a alertarem sobre a possibilidade de rebaixamento da nota dada aos Estados Unidos – atualmente a mais alta, "AAA".

Notícias relacionadas