Irã melhora tecnologia para enriquecimento de urânio

Usina de Bushehr, que entrou em operação em maio (AFP) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Usina nuclear de Bushehr entrou em operação em maio

O governo do Irã afirmou nesta terça-feira que instalou novas centrífugas com "mais qualidade e velocidade" para melhorar o processo de enriquecimento de urânio em suas usinas nucleares.

Um porta-voz do Ministério do Exterior iraniano afirmou que a Agência Internacional de Energia Atômica da ONU (AIEA) está fazendo a supervisão total das novas centrífugas.

"Ao instalar novas centrífugas, estamos progredindo, com mais velocidade e qualidade", afirmou o porta-voz Ramin Mehmanparast.

De acordo com o porta-voz, esta medida mostra o sucesso do Irã em suas "atividades nucleares pacíficas".

O governo iraniano alega que está enriquecendo urânio para geração de energia elétrica e aplicação medicinal.

O urânio enriquecido pode ser usado para fins civis, mas também pode ser usado na fabricação de bombas atômicas.

O anúncio do governo iraniano nesta terça-feira foi feito apesar das exigências internacionais de que o país suspenda suas atividades nucleares.

O governo da França já reagiu ao novo anúncio, condenando a instalação de novas centrífugas e afirmando que é uma nova provocação.

Armas

Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e outros países ocidentais temem que o programa nuclear do Irã vise o desenvolvimento de armas nucleares, apesar de o governo iraniano negar.

Seis países estão negociando com o Irã a questão do programa nuclear. O Irã também está sujeito a sanções do Conselho de Segurança da ONU devido a sua recusa em suspender o enriquecimento de urânio.

Em junho o governo da Grã-Bretanha acusou o Irã de testar mísseis capazes de levar ogivas nucleares, em desrespeito à resolução da ONU.

Os iranianos testaram abertamente 14 mísseis terra-terra com um alcance de 2 mil quilômetros como parte de um programa de exercícios militares que durou dez dias.

O Ministério do Exterior iraniano afirmou que nenhum dos mísseis testados tinha capacidade de levar uma ogiva nuclear.

Notícias relacionadas