Premiê irlandês critica Vaticano por política em relação a abusos

Direito de imagem AFP
Image caption Kenny disse que a relação entre a igreja e o Estado da Irlanda jamais voltaria a ser a mesma

O primeiro-ministro da Irlanda, Enda Kenny, fez duras críticas ao Vaticano nesta quarta-feira e acusou a Igreja Católica de ter encorajado bispos a não reportar à polícia suspeitas de pedofilia entre padres do país.

Em discurso ao Parlamento da Irlanda, o premiê afirmou que as últimas acusações sobre abusos sexuais mostram “o caráter doentio, elitista e narcisista” que domina a cultura do Vaticano hoje.

"O estupro e a tortura de crianças foram minimizadas pela Igreja para manter sua reputação e seu poder".

Abusos

As acusações a que o premiê se referiu dizem respeito ao chamado Relatório Cloyne, que foi publicado na semana passada.

O documento é o resultado de uma investigação sobre como acusações de abuso sexual infantil na diocese de Cloyne, no sul do país, foram tratadas pelo Vaticano até 2009.

A investigação concluiu que a Igreja violou suas próprias normas relativas à proteção de crianças, não relatando as acusações contra 19 padres.

O líder da oposição Michael Martin também criticou a Igreja Católica, dizendo que após os escândalos de 2009, o Vaticano havia prometido cooperar com o governo irlandês, mas em vez de defender as crianças abusadas, resolveu focar nos seus próprios interesses.

Notícias relacionadas