Pouso do Atlantis marca fim do programa de ônibus espaciais dos EUA

Atualizado em  21 de julho, 2011 - 11:43 (Brasília) 14:43 GMT

Player

Espaçonave chegou em segurança de sua última missão.

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

Imagens cedidas pela Nasa do pouso da Atlantis

O pouso ocorreu pouco antes do amanhecer

Depois de 30 anos, o programa de ônibus espaciais americano chegou ao fim com o pouso do Atlantis, nesta quinta-feira.

A espaçonave e seus quatro tripulantes aterrissaram em segurança no Centro Espacial John F. Kennedy, na Flórida, às 5h56 pelo horário local (6h56 em Brasília), pouco antes do amanhecer.

O Atlantis passou 13 dias em órbita, em uma missão para levar suprimentos à Estação Espacial Internacional (EEI).

Uma multidão compareceu ao local para ver o pouso final da espaçonave. Calcula-se que 2 mil pessoas estavam presentes ao longo da pista de aterrissagem.

O jornalista da BBC no local Andy Gallacher disse que muitos lá acreditavam que o evento marcou o fim da era de dominância americana no espaço.

As espaçonaves foram importantes para a construção da EEI e foram usados para o lançamento do telescópio Hubble.

"O ônibus espacial mudou a forma como vemos o mundo e o universo", disse o comandante Chris Ferguson, na aterrissagem.

"Há muita emoção hoje, mas uma coisa é indiscutível: os EUA não vão parar de explorar (o espaço)", disse ele, por meio de rádio, ao controle da missão.

Demissões

A aposentadoria do programa criado em 1981 foi decidida em parte por motivos financeiros e significa que o governo americano não terá meios para colocar astronautas em órbita.

A Nasa, agência espacial americana, pretende convidar o setor privado para parcerias que forneça o transporte. Algumas empresas já anunciaram que desenvolvem espaçonaves, embora elas devam levar pelo menos de três a quatro anos para começar a voar.

Até lá, a Nasa deve usar espaçonaves russas para transporte de pessoal para a EEI.

Nesta semana, mais de 3 mil funcionários da agência vão ser demitidos.

Consciente disso, o chefe da Nasa e ex-astronauta, Charles Bolden, agradeceu à equipe que trabalhou no programa em discursos realizados logo depois do pouso.

"Eu quero que todos que estiveram envolvidos nisto se sintam incrivelmente orgulhosos do que fizeram e daquilo que foi o seu papel", disse.

"Assim como eu, (a tripulação do Atlantis) foi quem acabou voando, mas nós temos uma incrível dívida para com os milhares, literalmente dezenas de milhares de pessoas em todo o país que tornaram isto possível."

Novos destinos

A Nasa espera investir o dinheiro economizado em uma nova espaçonave e foguetes que possam levar astronautas além da EEI, até destinos como os asteroides da Lua e Marte.

Segundo o correspondente de ciência da BBC News Jonathan Amos, a nave cônica, conhecida como Orion, já foi definida e está em um estágio avançado de desenvolvimento. Por outro lado, o foguete ainda é desconhecido.

O Congresso americano disse à Nasa quais devem ser as capacidades mínimas do foguete. No entanto, a agência está se esforçando para encaixar estas especificações em um conceito que, segundo ela, possa ser construído dentro dos prazos e orçamentos definidos pelo Legislativo.

De acordo com Amos, a Nasa promete detalhar as linhas gerais do design do foguete antes do fim deste verão no hemisfério norte.

O Atlantis vai ser mantido para visitação do público no Centro Espacial da Flórida.

Os ônibus espaciais Discovery e Endevour também fizeram suas missões finais este ano e vão para museus na Virgínia e Califórnia, respectivamente.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.