Justiça condena japonês que mudou o rosto após matar britânica

Tatsuya Ichihashi antes de depois das cirurgias plásticas que fez enquanto estava foragido. Direito de imagem Reuters
Image caption Tatsuya Ichihashi modificou a aparência para fugir da polícia após o assassinato

Um homem japonês foi condenado à prisão perpétua pelo estupro e assassinato de uma professora britânica, encontrada dentro de uma banheira, em 2007, em Tóquio.

Tatsuya Ichihashi, de 32 anos, realizou diversos procedimentos estéticos para mudar a aparência do rosto durante os dois anos e meio em que ficou foragido.

No tribunal, Ichihashi admitiu ser responsável pela morte de Lindsay Hawker, de 22, mas negou que tivesse a intenção de matá-la, dizendo que a sufocou acidentalmente.

Os pais de Lindsay Hawker e suas irmãs, Lisa e Louise, disseram que a justiça foi feita. Eles foram para Tóquio na última quarta-feira, para acompanhar a sentença.

Em uma audiência anterior, Bill Hawker, o pai de Lindsay, pediu ao tribunal que desse "a punição mais pesada" possível ao homem.

Pela lei japonesa, Ichihashi poderia ter sido condenado à pena de morte, mas os promotores pediram que ele cumprisse a pena de prisão perpétua.

Confissão em livro

Direito de imagem Reuters
Image caption A britânica Lindsay Hawker dava aulas de inglês no Japão

Lindsay Hawker, então estudante da Universidade de Leeds, na Grã-Bretanha, foi para o Japão em outubro de 2006, para dar aulas de inglês em uma escola de línguas.

Menos de seis meses depois, ela foi encontrada morta dentro de uma banheira cheia de areia, na varanda do apartamento de Tatsuya Ichihashi no bairro de Ichikawa City, leste de Tóquio.

Hawker foi vista com vida pela última vez após dar uma aula de inglês ao próprio Ichihashi, em um café, em 25 de março de 2007.

Em sua última tentativa de mudar o rosto, Ichihashi foi denunciado para a polícia pelos funcionários da clínica onde fez uma cirurgia no nariz.

Ele foi preso em um terminal de ferry boat na cidade de Osaka, oeste do Japão, em novembro de 2009.

No início de 2011, o japonês escreveu um livro em que confessava o assassinato e descrevia os procedimentos estéticos que fez para mudar sua aparência - incluindo cortar seu próprio lábio e remover sinais do rosto.

Durante seu julgamento, Ichihashi disse que atraiu Hawker até seu apartamento, estuprou-a e estrangulou-a, porque temeu que os vizinhos pudessem ouvir seus gritos e chamar a polícia.

Após a sentença, a família de Hawker agradeceu às polícias britânica e japonesa e às pessoas que disseram ter visto Ichihashi em Osaka, possibilitando sua prisão.

"Eu gostaria de agradecer ao povo japonês. Não teríamos chegado tão longe sem a ajuda de todos", disse Bill Hawker.

Notícias relacionadas