Após explosão em Oslo, homem abre fogo contra jovens em acampamento

Homem socorre ferida em Oslo. Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption O ataque contra o escritório do primeiro-ministro causou fortes estragos à sede do governo

Pouco após o atentado a bomba que deixou pelo menos sete mortos na sede do governo norueguês nesta sexta-feira, um homem vestido de policial abriu fogo contra jovens e matou quatro pessoas que participavam de um acampamento de verão organizado pelo Partido Trabalhista, que governa o país, segundo informações da imprensa local.

Em uma entrevista telefônica transmitida pela TV norueguesa, o primeiro-ministro Jens Stoltenberg, que é do Partido Trabalhista, confirmou que um incidente sério foi registrado na ilha de Utoeya, nos arredores da capital, Oslo, sem dar maiores detalhes.

A imprensa sueca menciona quatro mortos na ilha, embora não haja confirmação oficial. Um homem foi preso.

Segundo agências de notícias, o homem vestido de policial teria aberto fogo indiscriminadamente contra os jovens que participavam do acampamento. Helicópteros da polícia foram mobilizados e se dirigiram para o local.

De acordo com a agência France Presse, que cita fontes policiais, Stoltenberg deveria estar presente no encontro de jovens na ilha de Utoeya.

Explosão

Mais cedo, um ataque a bomba causou grandes estragos na sede do governo norueguês. Por meio de um comunicado, a polícia disse que a explosão foi causada por pelo menos uma bomba, mas não havia ainda suspeita sobre os autores do ataque.

"Os prédios do governo e seus ministérios sofreram grandes danos. Grande parte do centro da cidade foi evacuado. A polícia pede para que a população fique em casa e limite o uso de telefones celulares", diz a nota.

Na entrevista ao canal TV2, Stoltenberg disse que a situação "é muito grave" e afirmou que a polícia o aconselhou a não revelar onde está.

Imagens de televisão mostravam vidros e escombros nas ruas e fumaça saindo de alguns prédios. Testemunhas disseram "sentir cheiro de enxofre".

A explosão em Oslo destruiu várias janelas do prédio de 17 andares onde estão instalações do governo, lançando destroços a uma distância de 400 metros.

Feridos

O ministro de governo Hans Kristian Amundsen disse à BBC que ainda há feridos sob os destroços e não quis apontar possíveis causas do ataque.

"É impossível para nós especular em qualquer direção. Temos que focar nas operações de resgate. Ainda há pessoas nos prédios, há pessoas nos hospitais", disse o ministro.

"Sabemos que essa situação é mais séria do que a maioria das que já tivemos na Noruega."

O jornalista da NRK Ingunn Andersen disse que as instalações do maior tabloide norueguês, o VG , também foram atingidas.

"Vi que vidraças dos prédios do VG e do governo foram quebradas. Algumas pessoas ensanguentadas estão nas ruas. Está um caos completo por aqui", disse Andersen, segundo a agência de notícias Associated Press.

Choque

A explosão surpreendeu os noruegueses, segundo o embaixador do Brasil em Oslo, Carlos Henrique Cardim. A Noruega é "um país de tradição pacífica, muito próspero", afirmou Cardim.

Segundo o embaixador, "boa parte dos escritórios e ministérios estão fechados por causa das férias". Para o diplomata, o número de vítimas poderia ser maior em um dia de expediente normal.