Noruega faz primeiros funerais para vítimas de ataques

Montagem com fotos de vítimas dos atentados de sexta-feira Direito de imagem Reuters
Image caption Ataques atribuídos a Breivik deixaram 68 mortos a tiros em ilha e outros 8 por bomba em Oslo

Os primeiros funerais para vítimas dos ataques da sexta-feira passada em Oslo e na ilha de Utoeya, que deixaram 76 mortos, começam a ser realizados nesta sexta-feira.

Autoridades norueguesas e familiares de vítimas participam de um evento em Oslo realizado pela ala jovem do Partido Trabalhista – alvo dos ataques a tiros na ilha de Utoeya.

O extremista de direita Anders Behring Breivik, acusado pelos ataques, é mantido em prisão solitária e deve ser novamente interrogado pela polícia nesta sexta-feira.

Breivik assumiu a responsabilidade pela explosão de uma bomba no centro de Oslo e pelas mortes a tiros de jovens que participavam do evento do Partido Trabalhista na ilha de Utoeya.

Pelo menos 68 pessoas foram mortas na ilha e outras 8 morreram na explosão em Oslo algumas horas antes.

Durante a cerimônia desta sexta-feira em Oslo, em memória das vítimas, o primeiro-ministro norueguês, Jens Stoltenberg afirmou que a democracia do país não será minada pelo extremismo.

Interrogatório

Direito de imagem Reuters
Image caption Anders Behring Breivik deverá ser interrogado pela segunda vez nesta sexta-feira

Breivik deverá ser interrogado nesta sexta-feira, pela segunda vez desde os ataques, para avaliar se há “mais algum perigo”, segundo o porta-voz da polícia Paal-Fredrik Hjort Kraby.

Durante a primeira audiência, na segunda-feira, Breivik teria afirmado que havia duas células extremistas trabalhando com ele.

Apesar disso, as autoridades norueguesas acreditam que ele agiu sozinho. Segundo a chefe do serviço de inteligência doméstica da Noruega, Janne Kristiansen, não há evidências até agora de que Breivik teria ligações com outros extremistas na Noruega ou em outros países.

O acusado também deverá ser submetido nesta sexta-feira a um exame psiquiátrico, após seu advogado afirmar acreditar que seu cliente é insano.

Notícias relacionadas