Suspeito de liderar cartel mexicano confessa 1,5 mil assassinatos

Jose Antonio Acosta Hernandez acompanhado da polícia no México (AP) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Jose Antonio Acosta Hernandez acompanhado da polícia no México

A polícia do México informou que o suspeito de ser líder de um cartel de tráfico de drogas preso na sexta-feira confessou ter ordenado o assassinato de 1,5 mil pessoas no Estado de Chihuahua.

O suspeito, Jose Antonio Acosta Hernandez, de 33 anos, também é suspeito de planejar o ataque que resultou na morte de uma funcionária do consulado americano e do marido dela em 2010 em Ciudad Juárez.

Segundo as autoridades mexicanas, Hernandez, também conhecido como El Diego, é um nome de importância dentro do cartel de Juárez.

Hernandez é acusado de ser o líder do grupo La Linea, cujos integrantes trabalham como matadores para o cartel de Juárez. Este cartel controla as rotas de tráfico de drogas de Ciudad Juárez para os Estados Unidos.

Ciudad Juárez, por sua vez, é considerada a cidade mais violenta do México, com mais de 3 mil assassinatos registrados em 2010. A cidade fica próxima da fronteira com os Estados Unidos.

Ataques

A polícia também acredita que El Diego foi o responsável pelo ataque com um carro bomba que matou quatro pessoas em Ciudad Juárez, o primeiro deste tipo.

O chefe da Polícia Federal e do esquadrão de combate às drogas, Ramon Pequeno, disse que Hernandez também admitiu ter mandado matar 15 pessoas, a maioria adolescentes, em uma festa em Ciudad Juárez em 2010.

O governo mexicano tinha oferecido uma recompensa de cerca de U$ 1,2 milhão (aproximadamente R$ 1,8 milhão) por informações que levassem à prisão de Hernandez.

Promotores americanos querem julgar Hernandez devido ao caso da morte em 2010 da funcionária do consulado americano em Ciudad Juárez, Lesley Enriquez, seu marido americano, Arthur Redelfs, e o marido de outra funcionária do consulado, Jorge Alberto Salcedo.

Eles foram mortos a tiros dentro de um carro depois de sair de um evento na cidade.

Notícias relacionadas