Talebã assume ataque que mais matou americanos no Afeganistão

Helicóptero do tipo Chintook, dos EUA. Direito de imagem AFP
Image caption A queda do avião marca o incidente com maior perda de vidas americanas no Afeganistão.

O grupo Talebã assumiu estar por trás da queda de um helicóptero militar dos Estados Unidos. A aeronave caiu na madrugada deste sábado, matando os 38 ocupantes, sendo 31 americanos e sete afegãos.

Um porta-voz do grupo disse que o helicóptero foi derrubado com um míssil.

O incidente registrou a maior perda de vidas americanas em uma só vez no Afeganistão. A Otan (aliança militar do Ocidente) não confirmou o que causou a queda e disse estar investigando o caso.

A maioria dos americanos mortos eram integrantes do Navy Seal, unidade militar que comandou a caçada e a morte do líder da Al-Qaeda, Osama Bin Laden, em uma ação em maio deste ano, no Paquistão.

Fontes do governo americano disseram à BBC que nenhum dos envolvidos na operação contra Bin Laden estava na aeronave.

O helicóptero caiu na província de Wardak quando retornava de uma ação contra militantes do Talebã, na qual oito membros do grupo teriam sido mortos.

O presidente Barack Obama lamentou a morte dos militares americanos e afegãos e disse que o incidente lembra o imenso esforço das tropas do país no Afeganistão.

"Atividade inimiga"

A Otan disse estar preparando uma missão de resgate aos corpos no local da queda. Embora não tenha confirmado o que causou o incidente, disse, por meio de nota, que havia “atividade inimiga na área”.

"Nós estávamos fora dos nossos quartos, na varanda, quando vimos o helicóptero voando muito baixo. Ele foi atingido por um míssil e pegou fogo. Começou então a perder altura e caiu não distante de nossa casa, próximo do rio", disse. Wali Wardag.

Existem atualmente cerca de 140 mil tropas estrangeiras, sendo 100 mil americanos, no Afeganistão, combatendo a insurgência talebã e treinando as tropas afegãs para assumir a segurança. Todas as forças de combate estrangeiras devem deixar o Afeganistão até o final de 2014. A Otan já iniciou a transferência de controle da segurança aos afegãos em algumas áreas. Bamiyan foi a primeira província a passar para o controle total do Afeganistão, em julho deste ano.

Notícias relacionadas