Sexagenária desiste de travessia a nado de Cuba aos EUA

Diana Nyad, em Havana, Cuba, no dia 7 de agosto de 2011, antes de dar início à sua tentativa de nadar entre os dois países (AFP Gettty Images) Direito de imagem AFP Getty Images
Image caption Diana Nyad sentiu dores e temeu os fortes ventos

A americana Diana Nyad, de 61 anos, pôs fim à sua tentativa de cruzar a nado as águas que separam Cuba dos Estados Unidos.

A nadadora sexagenária pretendia se tornar a primeira pessoa a completar o percurso de 166 quilômetros entre os dois países sem a proteção de uma jaula contra tubarões.

Especialista em nado de longas distâncias, ela partiu de Cuba no domingo, mas deu por encerrada sua tentativa na terça-feira, após ter nadado por 29 horas.

Diana começou a sentir dores nos ombros e contou ter enfrentado fortes ventos e correntes marítimas intensas.

A sexagenária foi nos anos 70 uma das maiores nadadores de longas distâncias mundiais. Mas não conseguiu completar a travessia de Cuba aos Estados Unidos em 1978, quando tinha 28 anos.

Direito de imagem REUTERS
Image caption Diana falhou ao tentar travessia anteriormente, em 1978

A expectativa era de que ela completaria o percurso de 166 quilômetros que separam Havana de Cayo Hueso, na Flórida, em 60 horas, chegando a Key West na quarta-feira.

Como Cuba e Estados Unidos não possuem relações diplomáticas, as negociações para permitir que Diane realizasse a sua empreitada demoraram um ano.

Diana passaria a travessia toda sem dormir. Ela apenas faria pequenas pausas a cada 90 minutos para se alimentar por meio de um tubo plástico.

Ela esteve acompanhada por cinco barcos que transportavam um equipe médica, nutricionistas e um grupo de proteção contra tubarões.

Ao lado da nadadora, havia ainda dois caiaques equipados com uma corrente elétrica subaquática para afugentar os tubarões.

Notícias relacionadas