Israel diz lamentar morte de egípcios em ataque

Manifestantes egípcios retiram blocos de concreto que bloqueiam acesso à embaixada de Israel no Cairo Direito de imagem AP
Image caption Manifestantes retiraram blocos de concoreta que bloqueiam acesso à embaixada de Israel no Cairo

O ministério da Defesa de Israel disse lamentar a morte de policiais egípcios na fronteira com a Faixa de Gaza.

Cinco policiais do Egito foram mortos durante uma ação israelense em busca de militantes palestinos que praticaram uma série de atentados no sul de Israel, na quinta-feira, que deixaram oito pessoas mortas.

Sem confirmar que as forças israelenses mataram os cinco policiais, o ministro Ehud Barak disse ter pedido uma investigação conjunta com o Exército do Egito sobre o episódio.

O porta-voz do governo do Egito, Mohammed Hegazy, disse à BBC que ainda não foi tomada uma decisão quanto à possível retirada do embaixador egípcio em Tel Aviv.

A informação contraria notícias anteriores de que o Egito havia determinado a retirada de seu embaixador.

A tensão com o Egito representa uma sério revés no relacionamento entre Israel e seu principal aliado no mundo árabe.

No Oriente Médio, além do Egito, somente a Jordânia mantém relações diplomáticas com Israel.

Protestos

No sábado, centenas de manifestantes se reuniram na capital egípcia, Cairo, em frente à embaixada de Israel. Muitos dos ativistas pediam o fechamento da representação diplomática israelense e queimaram bandeiras do país.

O governo egípcio exigiu um pedido de desculpas oficial por parte de Israel. E as autoridades israleneses disseram estar investigando o incidente.

A Liga Árabe fará uma reunião de emergência no domingo, para discutir o ataque israelense contra a Faixa de Gaza, que matou 15 palestinos.

Depois dos atentados de quinta-feira, Israel realizou uma série de ataques aéreos contra alvos na Faixa de Gaza. E militantes palestinos dispararam mais de 20 foguetes contra Israel.

Notícias relacionadas