Promotoria de Nova York pede fim de processo contra Strauss-Kahn

Dominique Strauss-Kahn, ex-diretor-gerente do FMI. Getty Direito de imagem Getty
Image caption Ex-diretor do FMI liderava corrida eleitoral na França até estourar o escândalo

A Promotoria de Nova York pediu formalmente nesta segunda-feira a extinção do processo contra o ex-diretor-gerente do FMI, o francês Dominique Strauss-Kahn, acusado de crimes sexuais.

Promotores do escritório do procurador Cyrus R. Vance Jr, de Manhattan, apresentaram à Justiça documentos pedindo que todas as acusações sejam arquivadas. Acredita-se que até terça-feira a Justiça decidirá se acata ou não o pedido.

O caso – baseado nas acusações da camareira Nafissatou Diallo – vinha perdendo força nas últimas semanas, em meio a questionamentos sobre a credibilidade e os motivos da suposta vítima.

Strauss-Kahn foi detido em maio, acusado de ter agredido sexualmente a camareira em um hotel de Nova York. Ele nega as acusações.

Se as acusações forem arquivadas, ele será libertado e poderá voltar à França – mas ainda enfrentará um processo civil aberto por Diallo.

A ação da Promotoria foi criticada pelo advogado de Diallo, Kenneth Thompson. "O procurador negou o direito de uma mulher obter justiça em um caso de estupro", disse.

"Ele não só virou as costas a essa vítima inocente, mas também a provas forenses, médicas e físicas."

Os advogados de Strauss-Kahn ainda não se pronunciaram sobre a decisão da Promotoria.

Prisão

Na França, as autoridades ainda analisam a possibilidade de abertura de inquérito judicial após as denúncias da escritora Tristane Banon, que acusa Strauss-Kahn de tentar estuprá-la durante uma entrevista, em 2003.

A história veio à tona depois que Diallo, uma imigrante da Guiné de 32 anos, denunciar Strauss-Kahn por estupro em uma suíte no hotel Sofitel de Nova York, em 14 de maio.

O economista de 62 anos foi preso por policiais quando embarcava para Paris, já dentro do avião.

Durante as investigações, o exame de corpo de delito mostrou evidência de ato sexual, mas Strauss-Kahn alega que a relação foi consensual.

O advogado da camareira disse, em entrevista à rádio francesa RTL, que sua cliente se "sente abandonada" pela promotoria, sendo "mais investigada que Strauss-Kahn".

Direito de imagem AFP
Image caption Camareira Nafissatou Diallo acusou Strauss-Kahn de estuprá-la em hotel de NY

Inconsistências

O escândalo interrompeu as aspirações políticas de Strauss-Kahn, que aparecia em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto às eleições presidenciais francesas de 2012, como candidato pelo Partido Socialista.

O caso também forçou a renúncia de Strauss-Kahn como chefe do FMI. O posto foi assumido pela ex-ministra de Finanças da França, Christine Lagarde.

A reviravolta no caso se deu depois que os promotores apontaram inconsistências nas denúncias da camareira. Ela também teria dado informações desencontradas ao preencher o formulário de imigração para os Estados Unidos.

Strauss-Kahn deixou a cadeia em Nova York, permanecendo sob prisão domiciliar, da qual também já foi liberado.

Na tentativa de defender sua versão, Diallo deu entrevistas e, em 8 de agosto, abriu um processo civil contra o político francês.

Notícias relacionadas