EUA investigam ameaça 'verossímil' de ataque para 11 de setembro

Atentados de 2001. Foto: AP Direito de imagem AP
Image caption Ameaça parece ser direcionada para Nova York e Washington, cidades atingidas em 2001

O governo americano está investigando informações "específicas e verossímeis, mas ainda não confirmadas" sobre possíveis ameaças de atentados para o aniversário de dez anos dos atentados de 11 de setembro de 2001, no próximo domingo.

O Departamento de Segurança Interna americano emitiu um comunicado confirmando a suspeita, mas sem dar maiores detalhes.

Segundo uma fonte citada pela rede de TV CNN, autoridades disseram a integrantes do Congresso americano que estão "fortemente preocupadas" e "não estão subestimando nada".

Autoridades citadas sob anonimato por diversas agências de notícias afirmam que a ameaça parece ser direcionada para as cidades de Nova York e Washington, atingidas pelos ataques de 2001.

No entanto, segundo as mesmas autoridades, outras localidades não podem ser descartadas como alvos em potencial.

O comunicado do Departamento de Segurança Interna não cita os nomes das cidades supostamente ameaçadas.

Os atentados de 2001 foram realizados por extremistas ligados à rede Al-Qaeda, que sequestraram quatro aviões: dois atingiram as Torres Gêmeas do World Trade Center, em Nova York, enquanto outro se chocou contra o Pentágono, em Washington. O quarto caiu na cidade de Shanksville, na Pensilvânia.

Quase 3 mil pessoas morreram nos atentados.

Segurança intensificada

Falando a jornalistas, o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, disse que a ameaça não foi confirmada, mas afirmou que a segurança será intensificada em pontes, túneis e no transporte público da cidade.

Bloomberg disse que a polícia de Nova York irá deslocar "recursos adicionais" nos próximos dias, "alguns dos quais vocês irão notar, outros não". Essas medidas podem ser checagem de bolsas e um aumento no contingente de segurança nos transportes públicos.

O comissário de polícia de Nova York, Raymond Kelly, disse que a checagem de áreas no metrô da cidade será mais frequente até domingo.

Já o presidente americano, Barack Obama, pediu que as autoridades redobrem seus esforços contra possíveis atentados.

A rede de TV americana ABC informa que três pessoas - um deles, um cidadão americano - entraram no país em agosto planejando realizar um ataque. Não foi confirmado se esta informação é relacionada com a ameaças citada pelas autoridades nesta quinta-feira.

Bin Laden

Integrantes do governo americano destacam que, durante a operação que levou à morte de Osama Bin Laden, no Paquistão, em maio deste ano, foram encontrados documentos que mostravam a intenção do líder da rede Al-Qaeda de realizar atentados que coincidissem com a data.

O comissário Kelly já havia dito em entrevista à BBC que existe a preocupação com uma nova ameaça nos dias que antecedem os dez anos do 11 de Setembro, tendo como base os papeis encontrados junto de Bin Laden.

"Nós estamos preocupados especificamente com algo que possa acontecer no aniversário do 11 de Setembro porque nós vimos em alguns dos materiais de Bin Laden que havia discussões sobre o aniversário de dez anos", afirmou Kelly.

"Não há dúvida de que Nova York está mais segura agora do que estava dez anos atrás, mas não existem garantias. Nós estamos fazendo tudo que acredito ser possível para proteger a cidade, mas este é um mundo perigoso", disse o comissário.

Notícias relacionadas