Israel diz que acordo de paz com o Egito continua em pé

Premiê Binyamin Netanyahu. Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption Israel teme que acordo firmado em 1970 possa ser rompido por governo interino egípcio

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu disse neste sábado que o acordo de paz firmado entre seu país e o Egito, há três décadas, continua em pé, apesar da invasão da embaixada israelense no Cairo.

"Israel vai continuar atado ao acordo de paz com o Egito", disse Netanyahu, em um discurso transmitido pela TV.

Nesta sexta-feira, manifestantes egípcios invadiram o prédio, queimaram documentos e forçaram a evacuação do edifício. O embaixador e outros diplomatas israelenses tiveram de deixar o Egito por questões de segurança.

O primeiro-ministro israelense disse que está trabalhando com as autoridades do Egito pelo retorno de seu embaixador ao Cairo.

O enfrentamento entre manifestantes e a polícia deixou três mortos e mais de mil feridos e fez o governo interino do Egito declarar estado de alerta.

Direito de imagem Reuters
Image caption Egito ficou em estado de alerta após onda de violência contra embaixada de Israel

Os protestos explodiram após a morte de cinco militares egípcios durante uma perseguição a militantes palestinos, por parte das forças de segurança de Israel.

A retaliação de Israel ocorreu na fronteira entre a Faixa de Gaza e o Egito após os militantes palestinos atacarem um ônibus e matarem oito civis israelenses.

Os protestos preocupam Israel, que teme a quebra do acordo de paz, firmado em 1979 entre os dois países, pelo governo interino egípcio. O grande fiador do acordo era o ex-presidente egípcio Hosni Mubarak, afastado do cargo em fevereiro.

Alerta

O Egito declarou estado de alerta e o governo interino convocou uma reunião de emergência do gabinete militar após os ataques à embaixada.

A imprensa relatou que o premiê egípcio, Essam Sharaf, ofereceu sua renúncia após o episódio de sexta, mas o pedido foi negado pelo líder militar do país, Hussein Tantawi.

O governo militar interino disse neste sábado que os manifestantes envolvidos no ataque à embaixada israelense, na véspera, serão julgados em cortes emergenciais.

O Egito prometeu proteção às embaixadas no país.

Uma autoridade sênior de Israel disse à BBC que o ataque à representação diplomática no Egito foi uma séria ameaça às relações entre os dois países – um dos pontos de equilíbrio para a paz no Oriente Médio.

Observadores dizem que o incidente marca um agudo escalonamento nas tensões bilaterais e testa os 30 anos do tratado de paz entre Israel e Egito.

Direito de imagem AFP
Image caption Protestos são vistos por autoridades como 'ameaça à paz' bilateral

Pneus queimados

Ao longo da madrugada e manhã deste sábado, centenas de manifestantes se mantiveram nos arredores da embaixada no Cairo, queimando pneus pelas ruas e cantando slogans de crítica aos militares no poder no Egito.

Seis funcionários da representação diplomática ficaram presos no prédio durante os protestos e precisaram ser resgatados por forças de seguranças egípcias, disse uma autoridade israelense à BBC. A mesma autoridade diz que os protestos estão sendo vistos em Jerusalém como uma "grave violação" das relações diplomáticas.

O Egito é um dos dois países árabes – junto com a Jordânia – a ter estabelecido a paz com Israel. Mas crescem as demonstrações de sentimento anti-israelense entre os civis egípcios.

Notícias relacionadas