ONU reconhece opositores de Khadafi como representantes da Líbia

Combatentes anti-Khadafi em Bani Walid. Foto: AFP Direito de imagem AFP
Image caption CNT representará Líbia na Assembleia Geral da ONU; forças anti-Khadafi deixam Bani Walid

A ONU reconheceu nesta sexta-feira o Conselho Nacional de Transição (CNT), criado por opositores do coronel Muamar Khadafi e que governa a Líbia interinamente, como representante legítimo do país na Assembleia Geral das Nações Unidas, que será aberta na semana que vem.

O reconhecimento foi obtido por 114 votos a 17, a despeito da oposição de parte dos países da América Latina e da África, e permitirá que o presidente do CNT, Mustafa Abdul-Jalil, participe da Assembleia Geral, em Nova York.

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores afirma que o Brasil votou a favor do reconhecimento do CNT na ONU.

Ainda nesta sexta-feira, o Conselho de Segurança da ONU suavizou diversas sanções contra a Líbia, incluindo as direcionadas à estatal de petróleo e ao Banco Central do país.

Formado por 15 países, o Conselho aprovou ainda, por unanimidade, uma resolução que estabelece uma missão de auxílio da ONU na Líbia.

Enquanto isso, segundo a agência de notícias AP, os combatentes líbios contrários a Muamar Khadafi foram obrigados a bater em retirada da cidade de Bani Walid depois de enfrentar violenta resistência por parte das forças leais ao coronel.

As forças anti-Khadafi foram alvo de disparos de franco-atiradores e bombardeios inimigos assim que entraram na cidade, localizada 140 km a sudeste da capital líbia, Trípoli.

Mais ao leste, os combatentes contrários a Khadafi iniciaram uma ofensiva na cidade natal do coronel, Sirte, que ainda está sob controle das forças leais ao ex-líder líbio.

Legitimidade

A medida aprovada pela ONU é um importante passo do CNT em busca por legitimidade internacional – cerca de 60 países reconhecem o Conselho como o governo legítimo da Líbia.

De acordo com a correspondente da BBC na ONU, Barbara Plett, diplomatas ocidentais tinha a esperança de obter um consenso para dar o assento da Líbia ao CNT.

No entanto, segundo Plett, um grupo de países latino-americanos levantou objeções à matéria e forçou uma votação. O argumento deles era que a ONU estaria reconhecendo uma facção líbia imposta por meio de uma intervenção estrangeira.

O grupo ressaltou o fato de que os rebeldes contrários a Khadafi derrubaram o regime com o apoio da Otan.

Já algumas nações africanas expressaram desconforto com a decisão, dizendo que o CNT não é um governo e tentando adiar a votação, alegando violações processuais.

No entanto, todas as objeções foram derrubadas, liberando o caminho para os opositores de Khadafi representarem a Líbia na Assembleia Geral.

Direito de imagem Reuters
Image caption Batalha por últimas áreas ainda sob controle de forças pró-Khadafi pode estar em fase decisiva

'Fase decisiva'

Os combatentes leais ao CNT estão tentando se reagrupar nos arredores de Bani Walid, segundo indicam relatos.

As ruas na periferia ao norte da cidade foram esvaziadas, enquanto as residências ficaram cravejadas de balas, de acordo com a agencia Reuters.

O último avanço sobre Bani Walid ocorreu depois de um ultimato dado pelos opositores de Khadafi, para que os civis deixassem a localidade.

O correspondente da BBC em Trípoli Ian Pannell, afirma que os últimos ataques indicam que a batalha pelas últimas áreas ainda sob o controle das forças pró-Khadafi pode estar entrando em uma fase decisiva.

No entanto, segundo Pannell, existe a preocupação com as dezenas de milhares de civis que ainda estariam vivendo tanto em Sirte quanto em Bani Walid, e que passaram as últimas semanas com acesso limitado a comida, água e eletricidade.

Já o correspondente da BBC Peter Biles, que está próximo a Bani Walid, afirma que fumaça pode ser vista na cidade e explosões podem ser ouvidas, enquanto várias ambulâncias deixam a cidade levando pessoas feridas.

Enquanto isso, comboios de caminhões equipados com metralhadoras e quatro tanques foram vistos nesta sexta-feira na rodovia que leva a Sirte, segundo a Reuters. Pessoas ligadas à oposição a Khadafi afirma que o aeroporto da cidade foi tomado pelos partidários do coronel.

Notícias relacionadas