Hospitais lotam depois que governo do Iêmen abre fogo contra ativistas

Atualizado em  19 de setembro, 2011 - 08:51 (Brasília) 11:51 GMT

Player

Muitos tiveram de ser atendidos no chão; no domingo, 26 pessoas morreram.

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

Forças do governo abriram fogo contra manifestantes no Iêmen nesta segunda-feira, matando pelo menos nove pessoas. Alguns dos hospitais do país ficaram lotados no fim de semana, com pacientes sendo atendidos no chão.

Homem é carregado para hospital no Iêmen

Homem é levado para um hospital em Sanaa, no Iêmen

Cinco pessoas morreram em uma praça na capital Sanaa. Em uma rua próxima, um bebê de dez meses de idade foi morto por um disparo de um atirador de elite. Na cidade de Taiz, no sul do país, três manifestantes morreram.

No domingo, 26 pessoas foram mortas depois que forças do governo abriram fogo com metralhadoras contra multidões.

Líderes da oposição prometeram manter os atos pedindo a renúncia do presidente Ali Abdullah Saleh, que está há 33 anos no poder. Atualmente ele está na Arábia Saudita, se recuperando de uma tentativa de assassinato ocorrida em junho. Há oito meses, quando a Primavera Árabe eclodiu na região, ativistas vêm pedindo a renúncia de Saleh.

O ministério da Defesa do Iêmen atribui as mortes aos manifestantes.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.