Morre Steve Jobs, um dos fundadores da Apple

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Jobs vinha lutando há anos contra um câncer no pâncreas

A empresa americana Apple confirmou na noite desta quarta-feira a morte de seu ex-diretor executivo, Steve Jobs.

O comunicado diz que "a Apple perdeu um visionário e um gênio criativo e o mundo perdeu um fantástico ser humano".

"Os que foram sortudos o suficiente para conhecer e trabalhar com Steve perderam um amigo querido e um mentor inspirador. Steve deixa para trás uma empresa que apenas ele poderia ter criado. E seu espírito será sempre a base da Apple", diz a nota.

A morte de Jobs ocorreu um dia após o lançamento do iPhone 4S. O smartphone é um dos símbolos da criatividade da empresa que Jobs comandou até agosto deste ano, quando deixou seu cargo.

Em 2004, Jobs foi diagnosticado com câncer de pâncreas e, entre janeiro e junho de 2009, ficou oficialmente afastado da Apple por seis meses, quando se submeteu a um transplante de fígado.

Quando anunciou sua saída da Apple, o executivo de 55 anos já estava afastado, sob licença médica, desde 17 de janeiro deste ano.

Jobs foi um dos fundadores da Apple em 1976. Desde então, a fabricante de aparelhos eletrônicos tem se destacado pela inovação no concorrido mercado de tecnologia.

Força criativa

Jobs era considerado a força criativa que levou a Apple a tornar-se uma das maiores empresas do mundo.

Graças a produtos inovadores e altamente populares, como o iPod, o iPhone e, mais recentemente, o iPad, a Apple tornou-se uma das marcas mais cobiçadas pelos consumidores em todo o mundo.

"A visão e a liderança extraordinárias de Steve salvaram a Apple e a guiaram à sua posição de empresa de tecnologia mais valiosa e inovadora do mundo", disse o integrante do conselho da Apple Art Levinson, na ocasião em que Jobs deixou o cargo de diretor-executivo.