Consumidor americano já vive em clima de recessão

Ocupe Wall Street. Getty Direito de imagem Getty
Image caption Falta de perspectivas nos EUA fomenta movimentos como Ocupe Wall Street

Enquanto cresce nos Estados Unidos o temor de que a crise econômica se agrave, novos dados divulgados nesta terça-feira indicam que, para os consumidores americanos, o clima já é de recessão.

O Índice de Confiança do Consumidor medido mensalmente pelo Conference Board (organização privada de pesquisa econômica) caiu 6,6 pontos em outubro, chegando a 39,8, o nível mais baixo desde março de 2009.

O resultado ainda está acima do verificado no auge da recessão, quando o índice caiu para menos de 30, mas continua bem aquém do patamar de 90, considerado sinal de que a economia vai bem.

Para analistas, que esperavam um índice de 46 em outubro, o resultado reflete o pessimismo dos americanos, alimentado por um ritmo de recuperação econômica insuficiente para baixar a alta taxa de desemprego – que há mais de dois anos gira em torno de 9% –, pela apreensão sobre o futuro da crise de dívida nos países da zona do euro e pela volatilidade nos mercados.

"A confiança do consumidor mergulhou em outubro, caindo ainda mais profundamente em um território de recessão", diz o economista Chris Christopher, da consultoria IHS Global Insight.

"Alguns americanos já ocuparam as ruas para mostrar sua raiva", afirma o analista, ao citar os protestos iniciados em Nova York, com o movimento batizado de “Ocupe Wall Street”, que se espalharam por todo o país.

Apesar de reunir diferentes grupos e não ter um conjunto de propostas claras, o movimento tem em comum o descontentamento com o aumento da pobreza e da desigualdade nos Estados Unidos.

Os problemas atuais já foram admitidos pelo próprio presidente Barack Obama, que reconhece que os americanos estão "frustrados" e enfrenta uma campanha difícil à reeleição, diante da decepção dos eleitores com os rumos da economia.

Comércio

Os dados divulgados nesta terça-feira foram coletados entre 1º e 13 de outubro.

Segundo o Conference Board, o índice de expectativa dos consumidores também caiu ao nível mais baixo desde março de 2009, passando para 48,7.

O índice que mede o sentimento dos consumidores com a situação presente caiu sete pontos, para 26,3, o menor desde novembro do ano passado.

Em um momento em que 14 milhões de americanos estão desempregados, 96,6% dos entrevistados disseram que os empregos são difíceis de encontrar ou não são abundantes.

Direito de imagem AFP
Image caption Obama busca a reeleição em um momento delicado da economia, com alto desemprego

Em um país em que o consumo das famílias é o principal componente do PIB (Produto Interno Bruto), o Índice de Confiança do Consumidor é observado atentamente..

Os novos dados aumentam a preocupação do setor de comércio, que se prepara para as vendas de fim de ano.

"Como o sentimento do consumidor não vai ser de muito ânimo durante a estação de compras nos feriados de fim de ano, as lojas deverão promover descontos maiores e mais cedo, na tentativa de conquistar uma fatia do mercado e manter o público passando por suas portas", diz Christopher.

Mercado imobiliário

Os indicadores da confiança do consumidor foram divulgados no mesmo dia em que novos dados sobre o mercado imobiliário revelam um cenário ainda frágil.

Segundo o índice S&P/Case-Shiller, os preços das residências nas 20 maiores cidades americanas registraram alta de 0,2% entre julho e agosto deste ano.

No entanto, quando comparados a agosto do ano passado, os preços caíram 3,8%.

"Levando-se em conta como o mercado imobiliário está fraco neste ano, é surpreendente que os preços não tenham caído ainda mais", diz o economista Patrick Newport, da IHS.

De acordo com Newport, a situação ainda deve piorar.

"Se a economia entrar em recessão (probabilidade de 40%, segundo nossa avaliação), a taxa de desemprego vai subir, aumentando o número de execuções hipotecárias e levando a uma queda ainda maior nos preços das residências", afirma.

Notícias relacionadas