Diretor de empresa é detido por possuir pedaço de estátua de Saddam

Pedaço da estátua de Saddam Hussein (BBC) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Ex-soldado britânico queria leiloar pedaço de estátua e doar dinheiro para caridade

Um diretor de uma empresa britânica foi detido sob suspeita de ter um pedaço da estátua de Saddam Hussein levado do Iraque em 2003.

Jim Thorpe, diretor da companhia Trebletap, foi interrogado pela polícia britânica, pois a empresa teria a intenção de vender um pedaço de cerca de 60 centímetros do traseiro da estátua.

Thorpe foi interrogado sob suspeita de desrespeitar uma determinação da ONU em relação ao Iraque, que afirma que qualquer pessoa que esteja com objetos que sejam propriedade cultural do Iraque, deve entregar os objetos para a polícia.

O diretor da companhia foi liberado sob fiança e deve voltar a ser interrogado.

A polícia de Derbyshire, região onde fica a companhia Trebletap, informou que o governo do Iraque encaminhou, por meio da embaixada iraquiana na Grã-Bretanha, uma reclamação à Polícia Metropolitana de Londres, que a encaminhou para a polícia da região.

A Trebletap, uma companhia especializada em transformar suvenires de guerra em obras de arte, disse à BBC no começo da semana que está mantendo o pedaço da estátua em um local secreto.

Tentativa de leilão

Nigel Ely, fundador da companhia Trebletap, trouxe o pedaço da estátua do Iraque para a Grã-Bretanha e tentou leiloar a peça, mas não conseguiu alcançar o preço mínimo.

Ely, ex-soldado das Forças Especiais britânicas, já foi interrogado pela polícia no início da semana.

O ex-militar usou um martelo pesado e um cinzel para retirar o pedaço da estátua quando a escultura foi derrubada pelos militares ocidentais no centro de Bagdá, em 2003.

Ely disse que seu objetivo era leiloar o pedaço da estátua e doar o dinheiro para instituições de caridade, mas retirou a peça do leilão em outubro de 2011 depois que o pedaço da escultura não conseguiu alcançar o preço mínimo de 250 mil libras (mais de R$ 680 mil).

Notícias relacionadas