Credores europeus condicionam ajuda à Grécia a cumprimento de três condições

Jean-Claude Juncker (Reuters) Direito de imagem Reuters
Image caption Juncker afirmou que ainda há 'incertezas' a respeito do plano grego

A Grécia terá de cumprir três condições para receber uma parcela de ajuda financeira da União Europeia, segundo estabeleceram ministros das Finanças da zona do euro reunidos em Bruxelas.

A ajuda, no valor de 130 bilhões de euros (R$ 296 bilhões), foi condicionada à aprovação de mais medidas de austeridade no Parlamento grego, mais cortes no orçamento do governo para este ano e uma "forte garantia política" dos líderes de partidos gregos de que respeitarão a negociação.

As metas têm de ser cumpridas até a próxima reunião de ministros europeus na quarta-feira, afirmou o presidente do grupo europeu, Jean-Claude Juncker, de Luxemburgo.

"Apesar do progresso alcançado nos últimos dias, ainda não temos os elementos necessários na mesa para tomar uma decisão (sobre a ajuda)", afirmou. "Esses três elementos precisam estar em prática antes de tomarmos uma decisão."

Juncker disse que os credores gregos ainda têm duvidas sobre o plano de austeridade prometido por Atenas no início da semana.

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schaeuble, engrossou o coro e disse que o plano de austeridade grego "não chegou a um estágio em que possa ser aprovado".

Desconfiança

Direito de imagem AFP
Image caption Medidas de austeridade são altamente impopulares entre os gregos

As duas principais centrais sindicais do país convocaram uma greve de 48 horas a partir desta sexta-feira anunciado pelo governo grego no início da semana, que já inclui o corte de 15 mil funcionários públicos, flexibilização das leis trabalhistas e a redução do salário mínimo em 22%.

A reforma do sistema de aposentadorias, uma condição da UE, do Banco Central europeu e o Fundo Monetário Internacional (FMI), continua a ser um impasse nas negociações.

O premiê grego, Lucas Papademos, não conseguiu avançar nas negociações políticas dentro do seu país para reformar o atual modelo, com o objetivo de economizar 300 milhões de euros por mês.

A Grécia, ao mesmo tempo, já está sentindo os efeitos de uma rodada anterior de medidas, contrapartida do primeiro pacote de resgate financeiro.

Os cortes provocam amplos protestos populares, num momento em que o país se afunda em recessão e enfrenta taxas de desemprego acima dos 20%.