Parentes de mortos em Honduras invadem necrotério e retiram corpos

Atualizado em  21 de fevereiro, 2012 - 09:05 (Brasília) 11:05 GMT

Player

Familiares de vítimas de incêncio que matou 359 detentos querem mais rapidez na identificação.

Assistirmp4

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

Parentes dos 359 detentos mortos em um incêndio no presídio de Comayagua, em Honduras, na semana passada, invadiram o necrotério onde se encontram centenas de corpos.

Os familiares entraram em um frigorífico e retiraram vários sacos plásticos contendo corpos e só saíram do local após terem sido expulsos pela polícia.

Mulher tenta encontrar parente morto em necrotério de Honduras (BBC)

Parentes acusam autoridades de morosidade na identificação das vítimas

Eles cobram mais rapidez das autoridades na identificação dos corpos.

Mas muitas das vítimas sofreram queimaduras tão graves que só poderão ser identificadas por meio de testes de DNA.

O presidente de Honduras, Porfírio Lobo, pediu uma investigação sobre o estado das penitenciárias do país.

O centro de detenção de Comayagua contava com 852 detentos, o que representa o dobro de sua capacidade.

Entre os detidos na prisão estava o brasileiro Adilio Gomes Sobral, que foi internado em um hospital local após a tragédia. Ele não sofreu queimaduras graves e e seu quadro é estável.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.