Coreia do Norte: Recuo nuclear é visto como avanço 'modesto', mas importante

Kim Jong-un, líder norte-coreano (AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Acordo ocorre apenas dois meses após posse de Kim Jong-un

Observadores e analistas classificaram de modesto, porém importante o recuo nuclear anunciado pela Coreia do Norte nesta quarta-feira.

Segundo o Departamento de Estado dos EUA, o governo norte-coreano concordou em suspender o enriquecimento de urânio e os testes com mísseis de longo alcance, após negociações conduzidas por diplomatas americanos e coreanos na China.

Em troca, Pyongyang receberá 240 mil toneladas de "assistência nutricional" supervisionada, com possibilidade de ajuda alimentar.

O acordo, que foi confirmado pela imprensa oficial norte-coreana, abre a possibilidade da retomada de negociações - suspensas em 2009 - entre seis países, com vistas ao desarmamento.

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, disse que o recuo é "um primeiro passo modesto na direção correta" de desnuclearização da península coreana.

A opinião foi compartilhada pelo analista David Albright, do Institute for Science and International Security.

Direito de imagem AFP
Image caption Em troca de suspensão nuclear, Pyongyang receberá ajuda alimentar

"É um passo modesto e um alívio ver que (Pyongyang) quer negociar", disse ele à BBC. "O mais importante é que eles concordaram com o fim do enriquecimento de urânio (que poderia ser usado para a construção de uma bomba atômica)."

Mas o anúncio desta quarta é visto com cautela pela Coreia do Sul. A correspondente da BBC em Seul, Lucy Williamson, lembra que acordos prévios foram descumpridos pelo regime norte-coreano.

Em 2005, o país havia concordado em desistir de suas ambições nucleares, em troca de concessões políticas e ajuda humanitária, mas o acordo naufragou em 2009.

Novo líder

O novo anúncio de suspensão nuclear ocorre apenas dois meses depois da posse de Kim Jong-un como líder máximo do país, após a morte de seu pai, Kim Jong-il, em dezembro.

Para alguns observadores, o acordo desta quarta pode ser visto como um sinal de abertura de um dos regimes mais reclusos do mundo. Para outros, é apenas uma mostra de que a empobrecida e isolada Coreia do Norte está desesperada por comida.

Direito de imagem AP
Image caption Hillary disse que passo é modesto, mas na 'direção correta' da desmilitarização

David Albright opina que, além disso, a iniciativa norte-coreana pode ser interpretada como uma tentativa do país em buscar uma relação com os Estados Unidos e não depender tanto da China - atualmente sua única aliada de peso.

Em artigo à BBC News, Aidan Foster-Carter, analista de Coreia do Norte da Universidade de Leeds (Grã-Bretanha), diz que as concessões anunciadas pela Coreia do Norte são significativas.

"Primeiro, o país concordou em moratórias nos testes de mísseis de longo alcance e armas nucleares. Isso é bem-vindo. Muitos temiam que Kim Jong-un marcasse o centenário de seu avô, o fundador do regime norte-coreano, com testes nucleares. Isso não deve mais acontecer", escreveu Foster-Carter.

Ele lembra também que Pyongyang concordou com inspeções da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica), outro avanço importante.

Notícias relacionadas