ANP cria comitê para analisar novos vazamentos de óleo

Plataforma operada pela Chevron. AFP Direito de imagem AFP
Image caption ANP diz que até agora não há elementos que indiquem tendência de aumento no vazamento.

A ANP (Agência Nacional do Petróleo) criou um comitê de avaliação para analisar novos pontos de vazamento de petróleo no Campo de Frade, na Bacia de Campos, no Estado do Rio.

Na semana passada, novos vazamentos foram detectados no campo, operado pela Chevron. Um primeiro vazamento já havia sido detectado na área em novembro do ano passado.

O comitê será coordenado pela ANP e formado por técnicos da Chevron, da Petrobras e da Frade Japão Petróleo Ltda, que detêm participação na concessão. Terá também a participação do Ministério de Minas e Energia, como observador.

Em nota divulgada nesta segunda-feira, a agência disse que, até o momento, "não há elementos que indiquem tendência de aumento" no vazamento de petróleo no campo.

Produção interrompida

Na última sexta-feira, a ANP consentiu que a Chevron interrompesse totalmente a produção do campo.

No mesmo dia, o presidente da companhia havia sido convocado a prestar esclarecimentos sobre os novos pontos de vazamento.

A Chevron é alvo de uma investigação sobre eventual crime contra o meio ambiente, após um vazamento de óleo no Campo de Frade em novembro do ano passado.

No fim de semana, a Justiça Federal proibiu que 17 executivos e funcionários ligados à Chevron e à Transocean Brasil deixem o país sem autorização judicial.

Na nota desta segunda-feira, a ANP afirma que vem acompanhando os trabalhos da Chevron desde novembro e que, na última semana, seus técnicos constataram, em filmagens submarinas, "cinco pontos ao longo de uma fissura de 800 metros, de onde se observava o aparecimento de gotículas de óleo, em uma vazão reduzida".

Segundo a agência, o grupo de acompanhamento integrado por membros da própria ANP, do Ibama e da Marinha para fiscalizar as medidas tomadas pela Chevron para conter o vazamento "manterá a sociedade informada".

De acordo com a ANP, a Marinha do Brasil vem monitorando regularmente a área. O próximo sobrevoo está marcado para esta terça-feira.

Notícias relacionadas