Entenda o caso do adolescente negro assassinado na Flórida

Trayvon Martin. | Foto: Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption O presidente Barack Obama lamentou a morte de Trayvon e disse que 'seu filho pareceria com ele'

Trayvon Martin morreu no dia 26 de fevereiro, quando seguia para a casa do pai em Sanford, no Estado da Flórida. Ele foi alvejado pelo vigilante voluntário George Zimmerman, que fazia uma patrulha no bairro.

A morte do rapaz, de 17 anos, que estava desarmado, provocou uma onda de protestos e tensões raciais em diversas cidades americanas, já que o Zimmerman não foi indiciado pela morte do garoto, com base em uma polêmica legislação da Flórida.

Na noite do incidente, o vigilante, de 28 anos, estava em seu carro e tinha ao seu lado uma pistola 9 milímetros legalmente registrada.

Segundo o seu depoimento, era uma noite chuvosa e recentemente a região havia registrado um aumento de criminalidade.

Em gravações divulgadas pelo serviço de atendimento de emergência 911, o vigilante diz: "Houve alguns arrombamentos (no bairro) recentemente, e agora há outro cara suspeito na vizinhança de Twin Lakes".

De acordo com o jornal The Miami Herald, Zimmerman teria dito que o rapaz parecia ter usado drogas e estar "aprontando alguma coisa".

"Está chovendo. Ele fica caminhando, olhando para as casas. Esses vagabundos sempre conseguem fugir", teria dito.

Pouco depois, a voz de Zimmerman fica ofegante, como se ele estivesse correndo, e ele diz ao 911 que está perseguindo o jovem. Segundos depois, ouve-se uma briga e um tiro.

Perseguição

Na última terça-feira, o advogado da família de Martin, Benjamin Crump, disse que garoto estava no telefone com a namorada até o momento em que foi morto.

Em entrevista divulgada por Crump, a menina, cujo nome não foi divulgado, disse que Trayvon comentou que um homem o estava seguindo. A namorada teria dito ao garoto que corresse.

"Trayvon disse a ela: 'Acho que o despistei'. E pouco depois, diz: 'Ele está logo atrás de mim'. A namorada o ouviu dizer (ao estranho): 'Por que você está me seguindo?' e, logo em seguida, uma voz disse: 'O que você está fazendo aqui?'", contou o advogado.

Crump disse ainda que a menina ouviu um empurrão, que ela acredita ter sido o fone de ouvido de Martin caindo, porque ela não o ouviu mais. Logo em seguida, ouviu ruídos e a linha caiu.

'Atire primeiro'

Direito de imagem Reuters
Image caption Manifestantes em todo os país dizem que vigilante deve ser acusado formalmente pela morte do garoto

Trayvon Martin morreu com um disparo no peito efetuado pelo vigilante. Detido e interrogado pela polícia, o vigilante foi solto sem que uma acusação formal fosse registrada, e, portanto, sem a abertura de um inquérito.

Zimmerman alegou ter agido em legítima defesa e de acordo com a lógica da lei "atire primeiro" da Flórida, que permite que uma pessoa que percebe uma ameaça use força letal, sem antes tentar fugir do confronto, caso tenha indícios "razoáveis" de uma ameaça contra si mesmo ou outras pessoas.

Ele disse à polícia que o jovem deu início a uma briga e que foi obrigado a atirar em legítima defesa. Para o chefe da polícia de Sanford, Bill Lee, não foram encontradas evidências que contrariassem a argumentação do vigilante, e por isso não foram registradas acusações.

Amigos e professores disseram ao The Miami Herald que Martin não costumava procurar brigas, nem usar drogas.

De acordo com o jornal, em pelo menos duas ocasiões anteriores o Departamento de Polícia de Sanford foi acusado de favorecer familiares de oficiais envolvidos em situações de violência com negros.

Notícias relacionadas