Londres 2012: Grã-Bretanha proíbe casamentos de atletas estrangeiros durante a Olimpíada

Imigração britânica Direito de imagem
Image caption Regras da imigração britânica visam evitar que atletas aproveitem Jogos para ficar no país

Os atletas, treinadores e dirigentes estrangeiros que visitarão a Grã-Bretanha durante a Olimpíada de Londres, em julho e agosto, não poderão se casar ou formar parcerias civis, segundo as regras publicadas pelo departamento de imigração do país.

A intenção é evitar que os membros da chamada “Família Olímpica” aproveitem a estadia para pedir residência no país.

Os organizadores dos Jogos esperam a participação de mais de 10 mil atletas durante o evento e um número semelhante de treinadores e dirigentes.

Os estrangeiros de fora da União Europeia, mesmo de países atualmente isentos da necessidade de visto de turista, como os Estados Unidos, terão que pedir um visto especial para participar da competição.

Segurança

As regras específicas para esse tipo de visto proíbem, além de casamentos em solo britânico, que os visitantes da Família Olímpica peçam a mudança do visto para estudar ou trabalhar no país.

As regras especiais exigem ainda que os visitantes não façam nenhum trabalho não relacionado com os Jogos.

Normas para vistos comuns de turismo, como provar condições para se manter e para deixar o país, também serão aplicadas.

Os membros da Família Olímpica que chegarem a Londres terão suas impressões digitais colhidas e serão fotografados, como medida de segurança.

Deserções

Casos de atletas que aproveitam competições no exterior para deixar seus países de origem e pedir asilo no país-sede têm sido comuns nos últimos anos.

Nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, em 2007, quatro atletas cubanos provocaram uma polêmica ao fugir da delegação e pedir asilo no Brasil.

Dois dos atletas – um jogador de handebol e um ciclista – receberam o asilo, mas dois boxeadores foram deportados a Cuba.

Em setembro do ano ano passado, 15 atletas etíopes desapareceram durante os Jogos Africanos, em Moçambique.

No mesmo mês, dois atletas camaroneses de 16 anos fugiram de sua delegação no aeroporto de Manchester após competirem nos Jogos Juvenis da Comunidade Britânica.

Notícias relacionadas