Militar britânica se enforca após bullying por ter acusado colegas de estupro

Foto: Arquivo Pessoal Direito de imagem Arquivo Pessoal
Image caption Anne-Marie teria sido estuprada por dois colegas

A mãe de uma militar britânica que se suicidou em outubro passado disse à BBC que sua filha se matou depois de ter sofrido bullying por acusar dois colegas de estupro.

A filha de Alexandra Barritt's, a soldado de Infantaria Anne-Marie Ellement, 30 anos, foi encontrada enforcada em Bulford Camp, em Wiltshire, Inglaterra.

Alexandra afirma que ela foi estuprada por dois homens, mas procuradores militares não acataram a denúncia.

O Ministério da Defesa afirma que vai investigar as acusações. Um porta-voz disse: "À luz das alegações que emergiram... a Policia Real Militar está examinando se as ações tomadas estavam de acordo com os padrões e valores das Forças Armadas. Antes da morte, a oficial Ellement recebeu apoio do Exército, o que continuou ocorrendo até sua morte. O Exército tem tolerância zero com bullying e assédio moral junto a seu pessoal".

Alexandra, porém, disse que a filha foi abandonada. "O caso do estupro foi o que começou tudo e deveria ser reaberto. Ela me escreveu dizendo estar vivendo um inferno. Quero ver justiça para Anne-Marie porque não houve justiça antes. Ela me disse que estava deprimida, cansada do Exército e que queria sair", disse.

'Quase ninguém fala comigo'

O sonho de Anne-Marie era se tornar soldado e seguir a carreira de seus pai e avô no Exército, afirmou a mãe da militar.

Ela ingressou na polícia militar, mas depois de ter feito as acusações de estupro, sua vida começou a se complicar.

Image caption Alexandra pede reabertura do caso de estupro

Depois de uma investigação da Procuradoria Militar Independente, foi decidido que as acusações não seriam aceitas. Mas, de acordo com Alexandra, Anne-Marie sofreu bullying, algumas vezes em campanhas na internet, por colegas de Bulford Camp.

Em um email a um amigo a soldado disse: "Quase ninguém fala comigo. É como se eu tivesse inventado tudo, tivesse feito algo errado, capaz de destruir minha carreira e fazer com que eu perdesse todos os meus amigos".

A militar foi encontrada enforcada no dia 9 de outubro do ano passado. Em março, um veredito dado na corte de Salisbury confirmou o suicídio.

Um porta-voz da Justiça afirmou "que o uso inapropriado de mídias sociais não foi considerado um fator determinante para o suicídio" durante a investigação da morte.

Mas Alexandra afirma que a morte da filha não deveria ser em vão.

"Acho é necessário mais apoio a mulheres que acusam colegas soldados de abuso sexual. Ela era iluminada, vibrante, tinha um coração generoso, amava crianças e animais e tinha muitos planos para o futuro. Todos os membros da nossa família estão devastados porque Anne-Marie era uma filha, irmã e tia muito amada".

Notícias relacionadas