Atirador norueguês se diz inocente e alega legítima defesa

Anders Breivik entrou no tribunal e levantou o punho fechado (Reuters) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Anders Breivik entrou no tribunal e levantou o punho fechado

O norueguês Anders Breivik, acusado de matar 77 pessoas em julho do ano passado, se declarou inocente nesta segunda-feira. Em seu primeiro dia de seu julgamento na capital do país, Oslo, ele disse ter agido em legítima defesa.

Breivik admitiu os ataques, mas negou responsabilidade criminal. Ele disse não reconhecer a autoridade do tribunal, que acusou ser ligado a partidos políticos que favorecem o multiculturalismo. Ele entrou na corte sorrindo e fez uma saudação de estilo fascista, com os punhos fechados.

"Não reconheço a Justiça norueguesa. Você recebeu seu mandato de partidos políticos que apoiam o multiculturalismo", disse Breivik à juíza Wenche Elisabeth Arntzen.

A juíza anotou as declarações, mas o advogado de Breivik afirmou que não são objeções oficiais.

A promotora Inga Bejer Engh leu as acusações contra Breivik, dando detalhes sobre como cada uma das vítimas foi morta ou ferida nos ataques.

Segundo a promotora, os ataques "geraram medo na população norueguesa".

"O réu cometeu crimes muito graves em uma escala que nunca tinha sido vivida em nosso país nos tempos recentes", afirmou.

Breivik não mostrou emoção ao ouvir detalhes dos danos causados em suas vítimas, mas chorou ao ver seu próprio vídeo de propaganda ideológica.

"Eu reconheço os atos, mas não a responsabilidade criminal - alego que estava fazendo em legítima defesa", afirmou Breivik no final da leitura das acusações.

Oito das vítimas morreram em um atentado com carro-bomba. Os demais - adolescentes, na grande maioria - foram mortos a tiros em um acampamento.

Insanidade

O julgamento decidirá se Breivik é insano ou não. Se a Justiça decidir que ele é insano, o norueguês será submetido a tratamento psiquiátrico. Caso seja julgado mentalmente são, será condenado à prisão.

No caso de uma condenação, ele poderá ser sentenciado a 21 anos, que poderão ser ampliados de forma a manter Breivik na prisão para o resto da vida.

O norueguês de 33 anos já foi considerado insano em uma avaliação médica. Um segundo diagnóstico, divulgado na semana passada, determinou que ele é mentalmente competente.

No julgamento desta segunda-feira, Breivik descreveu sua profissão como "escritor", atualmente trabalhando na prisão.

O advogado de defesa de Breivik, Geir Lippestad, afirmou que o único arrependimento de seu cliente, foi "não ter ido mais longe".

"É difícil de entender, mas o que digo é para vocês prepararem as pessoas para o testemunho dele", disse Lippestad a jornalistas antes do início do julgamento.

Notícias relacionadas