Hillary diz que luta do Brasil contra corrupção é exemplo

Hillary Clinton. | Foto: AFP Direito de imagem AFP
Image caption Secretária de Estado elogiu Brasil como parceiro em iniciativa de transparência

Os Estados Unidos elogiaram nesta terça-feira a luta do governo da presidente Dilma Rousseff contra a corrupção, no momento em que o Congresso discute a instalação de uma CPI com o objetivo de investigar o envolvimento de políticos com o bicheiro Carlinhos Cachoeira.

"Seu comprometimento [de Dilma] com abertura e transparência, sua luta contra a corrupção estão estabelecendo um padrão global", disse a secretária de Estado americana Hillary Clinton, durante encontro da Parceria para Governo Aberto - iniciativa liderada pelo Brasil e pelos EUA que reúne 55 países dispostos a melhorar suas práticas para aumentar a transparência e combater a corrupção.

Dilma, por sua vez, cobrou mais transparência do setor privado. "A transparência e o compromisso com o bem público também devem ser exigidos dos agentes privados, cujas condutas afetam diretamente a vida dos cidadãos".

"Nós sabemos que a corrupção mata o potencial de um país", disse Hillary. "A cura a para corrupção é abertura."

Escândalos

O elogio de Washington ocorre no momento em que integrantes do PT se mobilizam para adiar - não barrar, segundo o partido - a instalação da CPI do caso Cachoeira.

A comissão pretende investigar suspeitas de corrupção, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e contrabando envolvendo Cachoeira, o senador Demóstenes Torres (sem partido, ex-DEM) e os governadores de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), além de diversos servidores.

O clima político é ainda agravado pela proximidade do julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal) do caso "mensalão", o escândalo de pagamento de propina que envolveu parlamentares em 2005, durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Todo o quadro de turbulência política se delineia após a presidente demitir seis ministros sob suspeita de corrupção em 2011, seu primeiro ano de governo.

Transparência

Ao cobrar transparência do setor privado, a presidente Dilma criticou principalmente a falta de monitoramento em fluxos financeiros internacionais. "[Os fluxos] são passíveis de manipulação, com prejuízo para toda a economia mundial e para as conquistas sociais dos países", disse.

Segundo Dilma, "a transparência deve ser qualificada pelo resultado que as ações públicas causam na vida das pessoas".

"De parte do meu governo, nós buscarmos sempre a eficiência para garantir a boa qualidade do serviço prestado à população e não teremos tolerância com nenhum malfeito", afirmou a presidente.

A presidente citou o "aperfeiçoamento dos mecanismos de controle de gastos públicos" e disse que o Brasil tem hoje instituições mais preparadas para evitar desvios e punir sua ocorrência.

Notícias relacionadas